sábado, 31 de março de 2007

Henry I. Sobel

Juca Kfouri, em seu blog, publicou três posts comentando o caso do rabino Henry Sobel, preso nos EUA acusado de furtar gravatas. Está levando pau de tudo que é jeito. No último artigo, até tentou esclarecer sua posição às pessoas que estão comentando, mas parece inútil, pois a boçalidade está nadando de braçada por lá.
Com argumentos eivados de chavões e frases feitas, os adeptos da Lei de Talião destilam seus conceitos absurdos sobre justiça, seus preconceitos, sua ignorância. Sei que o JK não tem tempo, nem disposição, para esmigalhar, um a um, os argumentos dos boçais. É fácil, mas dá trabalho e gera mais polêmica, pois estes celerados não estão acostumados a ouvir e refletir sobre o que ouviram. O que eles sabem é ficar repetindo o que está incrustrado em seus pobres cérebros. Vejam alguns exemplos:
[cesar] Porém, esse rabino é LADRÃO sim. Já disseram aqui, mas reitero. Porque a menina que roubou um pacote de manteiga para dar para a filha é considerada uma ladra e o ilustre rabino não? Porque ele foi tão seletivo em seu furto?
Seu César, em sua cabecinha o crioulo doido samba direto, né? Não há grau de comparação entre os dois atos, por várias razões: 1- H. Sobel ganha 25 paus por mês, e a mulher (não era menina) estava desempregada, não tinha um puto. Típico caso de furto famélico, julgado equivocadamente pelo juiz BRASILEIRO, sob a lei BRASILEIRA e acarretando na prisão da infeliz. O rabino foi, sim, considerado ladrão, foi preso, fichado e liberado sob o pagamento de fiança, e estará, como NORTE-AMERICANO, à disposição do magistrado NORTE-AMERICANO, que o julgará e imputar-lhe-á a devida pena. Pena essa que não invalidará o diagnóstico médico, muito anterior ao ocorrido, de que Henry Sobel apresentava diversos distúrbios de comportamento incompatíveis com o seu caráter, e por isso estava sendo medicado com ansiolíticos, antidepressivos e outras "bombas" para regularizar o funcionamento de seu cérebro. Sobre a tal "seletividade" do furto, cabe dizer que o rabino não frequentava as lojas Trololó, portanto é impossível que tivesse subtraído uma gravata de crochê.

Existem muitas outras "opiniões", vale a pena ver, a título de curiosidade. Coisas como a estapafúrdia comparação de Sobel com o "casal Renascer", motivada evidentemente pela atuação religiosa dos referidos. O rabino furtou quatro gravatas; os Hernandes sonegaram um caminhão de gravatas em impostos, lavaram duas toneladas de gravatas sujas, mas para os rasos de raciocínio o crime é o mesmo: gravatas. E, para que se faça a verdadeira JUSTIÇA, exigem isonomia de penas. Talvez queiram colocar pulseiras GPS no Henry Sobel. Pensando melhor, querem que o casal pague US$ 3000 de fiança (quantia que eles tinham dentro da Bíblia) e voltem ao Brasil para orientar o sequioso rebanho que os aguarda. Infelizmente para esses caras, lá nos EUA a justiça funciona, e se nós confundimos os crimes, eles sabem direitinho como agir em cada caso. E é isso que estão fazendo, mandando os bispos pra cadeia e liberando Sobel.

A demência fica mais acentuada na caixa de comentários quando um afirma ser "Kfouri" um sobrenome JUDEU (Perdoa, meu bom Alá). Logo adiante, um outro boçal, um pouquinho mais esclarecido, ressaltou a ascendência árabe do Juca, e disse que achava absurdo um árabe ficar defendendo um judeu! Tratou do secular conflito religioso como se fosse um encontro entre a Gaviões e a Independente.

Olha, se essas coisas acontecem num blog como o do Juca Kfouri, um jornalista com público diferenciado do que se encontra habitualmente em sites de futebol, chego a duas conclusões:

1) não troco meus mil e poucos acessos pelos milhões de hits do JK;
2) se essa é a opinião dos "formadores de opinião", o mundo não dura mais 100 anos.

Etiquetas: ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

"Mas eu só queria estudar para conseguir uma oportunidade no mercado de trabalho, cada dia mais exigente e disputado..." G.V, 24 anos, Blumenal, SC

Documentos falsos
Aluna é condenada por se fingir de pobre para ter bolsa

O juiz Luiz Felipe Siegert Schuch, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Blumenau (SC), condenou Gisele Voltolini, de 24 anos, aluna do curso de Fisioterapia da Furb (Universidade Regional de Blumenau), por ter utilizado documentos falsos para obter bolsa de estudo destinada a estudantes carentes.
A ação penal, proposta pelo Ministério Público, envolveu também a irmã de Gisele, Sarita Voltolini, condenada por colaborar com o crime ao assinar documentos forjados. Gisele morava com os pais em Nova Trento, numa família proprietária de vários imóveis.
A estudante pediu e conseguiu bolsa de estudos com base no artigo 170 da Constituição Estadual, que obriga o Estado a bancar os estudos de alunos carentes em instituições de ensino superior. “No caso presente, inegável que o proveito econômico foi alcançado, sendo as vítimas tanto o Estado catarinense, que teve sua verba indevidamente utilizada, não havendo ressarcimento até o momento, como, reflexamente, os estudantes que faziam jus à bolsa de estudos e não a receberam”, anotou o juiz Schuch.
As Voltonini alegaram que não agiram com dolo, mas que foram induzidas a erro pelo advogado Luis Antônio Pavan. Ele teria informado a elas sobre a possibilidade de obter uma bolsa de estudos desde que assinassem os documentos.
O juiz não considerou coerente que uma estudante universitária e uma pessoa com formação superior assinassem um documento sabidamente falso. O advogado não respondeu a citação, foi considerado revel e teve um processo aberto em separado.
As irmãs foram condenadas por estelionato. Gisele pegou dois anos de prisão em regime inicialmente aberto. A pena foi substituída por prestação de serviços a comunidade pelo mesmo período e mais multa de dois salários mínimos (R$ 700) será paga a uma instituição beneficente. Sarita foi condenada a um ano e oito meses de reclusão, mas também se beneficiou pela pena alternativa. Terá que prestar serviços comunitários pelo mesmo período da pena, além de pagar multa de dois salários mínimos.

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Paulo Henrique Amorim: Entrevista para a Revista dos Bancários

Pronto para o confronto
Paulo Henrique Amorim diz que o monopólio da mídia no Brasil não tem paralelo no mundo e que a imprensa trabalha para abreviar o mandato de Lula. Mas vê sinais de mudança nas comunicações no país

Por Paulo Donizetti de Souza e Nicolau Soares

Quando Mino Carta comandou a criação da Veja, em 1968, Paulo Henrique Amorim estava por perto, e acabou sendo o primeiro correspondente da revista em Nova York. Hoje, ele faz questão de observar que Mino abomina a cria. Diz que considera Veja uma publicação de extrema direita, mas só quando está bonzinho – em seu estado “normal”, chama-a de boletim do pensamento fascista. Graduado na Fundação Escola de Sociologia e Política, de São Paulo, sua formação jornalística, segundo ele próprio, deu-se na imprensa escrita.
Em 2005, lançou em parceria com a jornalista Maria Helena Passos Plim-Plim – A Peleja de Brizola contra a Fraude Eleitoral (Editora Conrad), livro-reportagem sobre o Caso Proconsult, uma tentativa de fraudar as eleições para governador do Rio de Janeiro em 1982.
No meio eletrônico, Amorim abriu o escritório da Globo em NY – depois passou por Band, Cultura e Record, onde permanece, apresentando o programa Domingo Espetacular. Inaugurou as coberturas em tempo real para webTV no antigo Zaz e estreou com o multimídia UOL News em 2000. Hoje, hospeda no IG seu site Conversa Afiada.
O jornalista acredita que a imprensa “trabalhou, trabalha e trabalhará” pela abreviação do mandato do presidente Lula e que a mídia é antitrabalhista, e portanto anti-Lula, desde a era Getúlio. Mas crê que o mundo das comunicações dá vários sinais de que está em processo de mudança no país. Amorim deixa claro que não gosta de FHC, da Globo, da imprensa farisaica, do Ronaldinho “Fenômeno”, de quem fala mal do Rio de Janeiro e de nordestinos. O que ele realmente gosta é de confusão.

A TV ainda é o veículo mais influente sobre a sociedade não-organizada. Como você vê o desempenho da TV brasileira na formação da inteligência dos cidadãos?
A TV brasileira não nasceu para isso. Ela copiou o modelo americano, que se opôs ao inglês. O modelo inglês veio do rádio. A BBC rádio inspirou a criação da televisão. A certa altura da história americana, com o presidente Roosevelt, o governo teve de escolher entre fazer televisão pública ou privada. Roosevelt escolheu televisão e rádio privados porque ele tinha 100% dos jornais americanos contra ele. Então, fez um acordo com os donos de emissoras e deixou a legislação correr na linha da privatização para poder chegar ao povo americano. Roosevelt fez uma reforma institucional muito importante do ponto de vista dos programas sociais. E essa opção política casou com os interesses econômicos nos Estados Unidos de tal maneira que, quando a televisão saiu da costela do rádio, ela já era uma televisão privada.
E o Brasil?

Já saiu inspirado pelo modelo americano. A televisão brasileira já nasceu com o grande conglomerado do Chateaubriand, que foi substituído pelo conglomerado Globo. E a cumplicidade, o vínculo entre o Estado brasileiro e a Rede Globo foi tão profundo que se chegou a uma situação que durante muito tempo permitiu que a Globo, com 50% da audiência, tivesse 75% da verba publicitária – uma situação sem paralelo num regime democrático. Essa anomalia que fez com que a TV brasileira não só não desempenhasse o papel de formar os brasileiros como também se tornasse um monopólio virtual, na prática, de um único grupo de televisão, um grupo conservador e que interfere no processo político sempre no lado não-trabalhista.
A que você atribui esse desempenho?

Competência estratégica empresarial?Foi uma combinação. Beneficiou o regime militar e foi explorada empresarialmente muito bem por Roberto Marinho, que conseguiu sufocar os concorrentes, e escolher os concorrentes. A certa altura do governo Geisel, Roberto Marinho escolheu os adversários. Escolheu o grupo Manchete e o grupo Silvio Santos. Ou seja, ele não só criava as condições que o beneficiavam como escolhia com quem queria brigar.
Como essa situação começa a mudar?

O que muda agora são três fenômenos paralelos. Um é que pela primeira vez a Globo tem um adversário com grana, a Record. Pela primeira vez tem um adversário com dinheiro para enfrentá-la no terreno dela, que é a telenovela. Segundo lugar: pela primeira vez na história do Brasil o governo não é amigo dela. Para o meu gosto, o governo Lula trata a Globo bem demais, mas não como a tratavam Fernando Henrique, José Sarney, e todos os governos militares.
Mas há quem diga que o ministro das Comunicações, Hélio Costa, é um braço da Globo no governo.Não, porque o poder saiu do Ministério das Comunicações. O poder hoje está nas mãos de Dilma Rousseff (ministra-chefe da Casa Civil).
E terceiro...A democratização do acesso através dos meios de comunicação via internet.
Guardadas as devidas limitações da exclusão digital.Claro, mas elas estão diminuindo. Tem aí o computador popular, a instalação de computadores nas escolas públicas, as lan houses. Está acabando o monopólio. Vem aí a revolução do vídeo na internet. Essa coisa monolítica Jornal Nacional-falou-tá-falado não é mais assim, não. Eles deram o golpe no primeiro turno, mas não conseguiram no segundo. Alckmin teve no primeiro turno mais votos que no segundo. E Lula teve contra Alckmin mais votos do que contra Serra.
Fale um pouco da sua história, da sua formação profissional.

Eu me formei em imprensa escrita. Fui para a televisão com mais de 40 anos. Minha carreira chegou num ponto em que eu não tinha mais para onde ir na imprensa escrita. Fui trabalhar primeiro na TV Manchete, depois na Globo, e depois fui para Bandeirantes, Cultura e hoje Record. Minha formação é de jornalismo escrito e por acaso eu me dei bem em televisão. Deus me beijou na testa e eu tenho facilidade de me comunicar com a câmera, portanto, com o público. Mas minha escola jornalística é a do Mino Carta na Veja. É uma coisa quase pré-histórica.
Você diz que a Veja é uma revista de direita.

Isso é quando eu estou bonzinho, generoso. A Veja hoje é o boletim do fascio. O Mino repudia a Veja.
Como você avalia sua conduta profissional nas eleições, no pós-eleições, na relação com a política?

Por causa do meu trabalho de televisão, procurei ser um jornalista, digamos, não-engajado. Porém, a certa altura, achei que meu trabalho na TV Record, nesse programa Domingo Espetacular, me permitia fazer uma escolha. Eu não pretendo mais ter um papel de jornalista que mexa com política e economia numa televisão aberta. Para isso criei um site, o Conversa Afiada, hospedado no IG, que tem lá, para quem quiser ler, uma seção chamada “Não coma gato por lebre”, em que estabeleço com muita clareza quais são as minhas inclinações. Não gosto de FHC, Daniel Dantas, Rede Globo, imprensa farisaica, do Corvo do Lavradio (Carlos Lacerda), Ronaldo dito “o fenômeno”, Flamengo – sou Fluminense –, de quem fala mal do Rio, de quem fala mal de nordestino, de Brasília, de pós-moderno, de Dry Martini com uma gota a mais de Martini, de filme de terror, de Amsterdam Avenue, de urna eletrônica e de gatos. Não engano ninguém.
Existe imprensa independente no Brasil?

A imprensa escrita brasileira, com exceção da CartaCapital, trabalhou, trabalha e trabalhará para abreviar o mandato do presidente Lula. Isso eu quero dizer que é o Estadão, a Folha, o Globo, o Zero Hora, para falar dos quatro principais jornais do país. Com a eleição do presidente Lula, caiu a máscara. A imprensa conservadora brasileira tem tradição de ser antitrabalhista, militou contra Getúlio Vargas, contra Juscelino, contra Jango. Roberto Marinho contribuiu para sujar a imagem do Rio de Janeiro com o objetivo de prejudicar os dois governos de Leonel Brizola. Essa imagem que o Rio tem hoje, de ser a capital da violência, combinação de Chicago com Medellín, é produto da Rede Globo. Agora, elegeu-se um trabalhista, e eles começaram a militar contra. Como diz a professora Marilena Chaui, a campanha do impeachment começou no dia em que Lula tomou posse. Eu criei um índice, o IVDL, o Índice Vamos Derrubar o Lula. A imprensa brasileira, sobretudo a escrita, com exceção da CartaCapital, é engajada, partidária.
A democratização do acesso à informação pode contribuir para o jornalismo independente ou derruba de uma vez por todas o mito e cada um vai assumir sua posição publicamente?

Quando você fala em jornalismo independente, eu penso em um jornalismo desligado dos grandes grupos. E com o mínimo de recursos, muitas vezes. Hoje, com uma câmera de celular você filma. Não esqueça que a execução de Saddam Hussein foi gravada com celular e divulgada pelo Google. As redes de televisão dos Estados Unidos estavam pensando no que fazer com o vídeo, e o Google já tinha botado no ar. A eleição para o Senado americano foi decidida com um celular. O famoso senador que chamou um indiano de macaco perdeu a eleição porque foi para o YouTube.
Além da Internet, há outros espaços para democratização?

Os outros espaços estão na educação. No acesso do pobre à educação, associado ao acesso ao computador.
Uma discussão que vem sendo feita nos movimentos sociais é um plano governamental para a democratização da comunicação.

Eu acho que o movimento sindical brasileiro, o PT e o governo Lula bobearam. Eles menosprezaram o poder da imprensa conservadora. Nenhum dos três teve peito para enfrentar a imprensa conservadora e criar uma imprensa alternativa. O Brasil é o único país razoavelmente sério do mundo que não tem um jornal trabalhista. Um La República, um El País, não tem no Brasil. Culpa do movimento trabalhista, e aí eu incluo o PT, os sindicatos e o governo Lula. O governo achou que ia chamar a Globo, encantar a família Marinho. Eles são contra Lula desde Getúlio Vargas. Quando Getúlio morreu, o povo foi para a rua e fechou o jornal O Globo. A família Mesquita é contra Lula desde o Getúlio Vargas. Outro erro que o PT cometeu, que Lula cometeu, foi achar que eles eram diferentes dos trabalhistas, Getúlio, Jango, Brizola. Para os conservadores, não tem diferença. A diferença é a seguinte: o que é o problema número um do Brasil? A carga tributária ou a distribuição da renda? Essa é a questão. É como nos Estados Unidos. George Bush é a favor de tirar imposto de rico e Clinton é a favor de distribuir a renda. Aqui no Brasil, Getúlio, Jango, Brizola e Lula querem distribuir a renda. Do outro lado, Fernando Henrique Cardoso, José Serra, que pode ter todas as idéias de esquerda, mas se comporta como homem de direita. Não me interessam as idéias do Serra, me interessa a prática do Serra.
E Aécio? Ciro Gomes?

Eu quero falar de tucano, eu não gosto é de tucano (risos). Mas é preciso ficar claro o seguinte: acredito em pluralidade, em livre confronto de idéias, que os mais capazes sejam mais bem remunerados, não sou a favor da estatização dos meios de comunicação, tenho muitas simpatias por um regime econômico de mercado, me considero uma pessoa bem-sucedida nesse regime. Acho que ele precisa ser policiado, precisa de regras, disciplina.
Não precisa ser selvagem.

O capitalismo sabe ganhar dinheiro, mas não sabe distribuir. Então tem de haver mecanismos pelos quais seja possível distribuir dentro do regime da livre-iniciativa. Tem de haver um entrechoque entre os que são a favor de reduzir impostos e os que são a favor de distribuir renda. Cinco anos um, cinco anos outro, e por aí vai. Isso é democracia. Não pode é ser sempre de direita. Mas o que eu gosto é de democracia, de confronto, de pau. Fui formado assim, sou filho de uma família de classe média baixa e passei a minha vida lutando, eu gosto disso. O que não gosto é de pensamento único. E durante a hegemonia do neoliberalismo, codificado por Margaret Thatcher e por Ronald Reagan, e aqui imposto por Fernando Henrique e a imprensa que o cerca até hoje, criou-se um sistema de pensamento único. É isso que eu acho que tem de ser desmontado. Acho que essa é minha modestíssima contribuição como jornalista. Não significa que eu seja petista, socialista, nada. Sou apenas um jornalista que gosta de confusão.
Você acredita que os meios de comunicação podem caminhar para um futuro em que tenham maior compromisso humanista?

A idéia que vem por aí é a seguinte, professor. É a desprivatização dos jornais. Um cara chamado Steven Rattner (banqueiro e investidor que já foi repórter do NYT e hoje administra o Quadrangle Group, empresa de investimentos em meios de comunicação) defende a seguinte tese: a democracia precisa de jornal independente, objetivo, que não pode tomar partido. Toma partido na página de opinião e o resto é fato, fato, fato. Aqui nos jornais brasileiros até o horóscopo é partidário, a previsão do tempo. A livre-iniciativa não tem grana para fazer bons jornais independentes. Não se esqueça de que o setor industrial que mais sofre hoje no Brasil é o da imprensa escrita, e é por isso que eles têm esse mau humor. Rattner diz que precisamos criar um novo modelo de negócios para sustentar os jornais. Qual? Fundos públicos, doações de bilionários caridosos e humanistas, fundações, sistema de subsídios, como na BBC. Essa combinação deverá garantir um número mínimo de jornais independentes. É o que ele chama de desprivatização dos jornais. E eu acho que é para isso que nós vamos.
Os brasileiros têm condições de saber o que está acontecendo na América do Sul através dos nossos jornais?

Não, a nossa cobertura internacional é grotesca. Os jornais brasileiros não prestam. A rigor, não tem o que ler. Começa que cinco páginas são dedicadas à reforma ministerial que non me ne frega niente. Que me frega quem vai ser ministro das Cidades? Não muda a natureza do café que eu tomo no boteco, com mais ou menos açúcar. Se Marta vai ser ministra, que me interessa? Faça uma enquete na rua e pergunte o nome do ministro das Cidades. Ninguém sabe, e é bom que não saiba, não precisa saber, não interessa. Por que eles fazem isso? Para demonstrar que Lula não sabe decidir. Era uma coisa que se dizia de Getúlio também. Ele ficou com a fama de que criou a frase “deixa estar para ver como é que fica”. E foi o homem que mais mudou as estruturas sociais do Brasil. E ele mudou o país, mudou o Código de Minas, a lei de gestão do trabalho, criou a Petrobras, a Eletrobrás, mulher passou a votar.
Você está acompanhando a cobertura da cratera do metrô de SP?

Estou esperando o presidente-eleito José Serra se pronunciar sobre o assunto. Eu tenho chamado José Serra assim porque ele não foi eleito nem prefeito nem governador de São Paulo. Foi eleito presidente e vai assumir em 2010. No intervalo, vai ter de dar uma arrumada em São Paulo para não atrapalhar muito, mas ele vai assumir em 2010, está escrito. A cratera se abriu há 45 dias. O que Serra já falou sobre o assunto? Nada! Ele está esperando a imprensa parar de falar no assunto, ele tapa aquele buraco e acha que ninguém vai se lembrar de que aquilo se abriu no governo dele, e foi construído pelo antecessor dele. Ele não fala mal nem do antecessor, nem do consórcio, nem de ninguém. Não fala mal nem da chuva.
Nem do modelo de gestão.

Aquilo foi construído por um modelo de gestão chamado porteira fechada, que é a coisa mais bem elaborada para se roubar. Como é que se rouba? Fazendo o modelo de porteira fechada. Como se rouba melhor ainda? Fazendo esse modelo no período pré-eleitoral. A combinação desse modelo com eleição é ótima para administrador de má-fé e concessionário de má-fé. O que é inexplicável, inaceitável, é José Serra não dizer uma vírgula sobre o assunto. Ele não diz mais 4, ele conta Linha 1, 2, 3, 5, para não lembrar da Linha 4. Mas vamos agora fazer a gênese disso. Ele conta com a imprensa de São Paulo. Ontem estiveram aqui em São Paulo três senadores da República. Um do PT, Aloizio Mercadante, um do PSDB, Flecha Ribeiro, e outro do PSDB, Eduardo Suplicy.
Suplicy é do PT...

Você acha?... Os três senadores vieram aqui inspecionar o que estava acontecendo na Linha 4. Serra ligou para todos os jornais do país e conseguiu impedir que saísse uma mísera linha sobre a visita. Uma mísera! Ela não está administrando São Paulo, está administrando a imprensa para que ela não fale da Linha 4. Ele está contando com que o assunto morra.
E o debate da redução da maioridade penal?

Sou a favor da redução, acho que a lei penal brasileira é frouxa, a lei de execuções penais é frouxa. Acho que político brasileiro tem medo de bandido e sou a favor de uma lei muito mais rigorosa. Agora, tem causas sociais, tem de mandar o cara para a escola, tem de fazer um apoio para a comunidade, uma série de coisas. Mas a primeira coisa é mudar o Código Penal.

Etiquetas: , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

sexta-feira, 30 de março de 2007

Que raio de engenharia contábil é essa que o Governo Estadual fez envolvendo a Nossa Caixa, só para conseguir $$$ para o Metrô e o suspeito Rodoanel??

Nossa Caixa paga mais de R$ 2 bi por contas
Valor equivale a 80% do seu patrimônio líquido


São Paulo - Depois de correr contra o tempo para inaugurar novas agências, esfolar seus funcionários para dar conta de atender milhares de novos clientes em condições desumanas de trabalho e de não pagar o adicional à PLR, a direção da Nossa Caixa “concordou” na última terça, 27 de março, em pagar ao Governo do Estado R$ 2, 084 bilhões para manter as contas de 1,061 milhão de servidores públicos estaduais pelo período de cinco anos.“O Estado ofereceu prioritariamente (a folha de pagamento) à Nossa Caixa, que demonstrou interesse e capacidade para prestar o serviço e pagar preço justo” disse o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, durante entrevista coletiva para explicar o negócio e dizer que os recursos da venda serão utilizados pelo governo para o transporte.O preço “justo”, a que o secretário se refere, equivale a 80% do patrimônio líquido da empresa (R$ 2,598 bi) e será pago em 60 meses. Ou seja, é como se, a cada ano, o banco gastasse mais de R$ 400 milhões para esse pagamento.“É um investimento de risco. O governador do Estado usou o banco para conseguir recursos em infra-estrutura. Por que em vez de fazer isso, não fez uma parceria com a Nossa Caixa?”, questiona a diretora do Sindicato e funcionária da Nossa Caixa, Raquel Kacelnikas. “O banco estadual é maior que um mandato governamental. A Nossa Caixa tem 90 anos e deve durar outros tantos mais, para o bem do Estado. Não pode acabar no governo Serra”, destaca.O lucro da Nossa Caixa em 2006 foi de R$ 453 milhões, quase o mesmo valor que o banco pagará anualmente pelas contas ao governo. “Nesse período houve aumento de casos de pessoas com transtornos mentais, LER/Dort, assédio moral, ameaça de demissão. A tendência é que tudo isso piore para pagar essa conta e os funcionários ainda correm o risco de não receber a Participação nos Lucros e Resultados”, critica a dirigente.A afirmação de Raquel pode ser confirmada pelas informações do presidente da Nossa Caixa, Milton Luiz de Melo Santos, que pretende quitar a dívida antes dos 60 meses – depois deste prazo os servidores terão direito à conta salário (leia no quadro). “Dá para vender muitos produtos para os novos clientes e assim esperamos conseguir cobrir os custos.A ação de vendas será intensificada, para que a comercialização de produtos como previdência privada e cartão de crédito cresçam. Vamos jogar tudo nestes novos clientes, buscando a fidelização”, disse. Ainda segundo o executivo, dessas novas contas, 35% têm os valores transferidos para outros bancos.
Coação – Raquel afirma que não houve um negócio, mas uma verdadeira coação para que o banco aceitasse as contas. “Na verdade é um aluguel por cinco anos. Como o governo deixou claro que venderia as contas, a Nossa Caixa corria o risco de perder, na venda, contas novas (650 mil) e até as antigas (550 mil). Isso sem falar em todo o investimento feito para atender os novos clientes nos últimos meses”, analisa Raquel. “Como é possível que um controlador (governo do Estado) tenha tomado uma atitude como essa que ao longo dos anos pode até inviabilizar a empresa? Quem vendeu a idéia de que a Nossa Caixa seria fortalecida neste governo deve se retratar perante a todos que terão agora de conviver com essa situação.”
Incompetência – Para analistas do mercado financeiro, o acordo mostra falta de governança corporativa por parte da direção do banco, uma vez que o governo, controlador da Nossa Caixa, é beneficiado pelo acordo. Especialistas consideraram também que o preço pago foi exagerado.Na próxima semana será veiculado jornal Reunião, com mais informações sobre o aluguel das contas.
Conta-salário: que bicho é esse? - A partir de segunda-feira, 2 de abril, trabalhadores de empresas privadas – cujo contrato de pagamento de salários entre a empresa e o banco tenha sido assinado a partir de 6 setembro de 2006 – poderão escolher o banco em que a remuneração será depositada, sem ter de pagar tarifas nem CPMF pela transferência para conta corrente da mesma titularidade. Hoje o trabalhador pode fazer essa migração, via talão de transferência bancária – o chamado cheque TB – ou DOC, com custo ao cliente.O trabalhador também pode optar por receber o salário e movimentá-lo na própria conta-salário, mas deve ficar atento. A conta só pode ser movimentada por meio de cartão magnético, fornecido gratuitamente pelo banco. Não tem direito a cheque. Não pode receber créditos de outras fontes nem depósitos, apenas o salário do empregado. Tem direito a cinco saques e duas consultas em terminais de auto-atendimento e não pode realizar aplicações.
Para contratos assinados até 5 de setembro de 2006, a conta-salário valerá a partir de 2 de janeiro de 2009. E para os servidores públicos, somente em 2012.

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Os vôos devem ser interrompidos e impedidos de ocorrer. É nossa vida que está em perigo !!!

É isso mesmo !!!

Enquanto a veja ( um dos poucos boicotes que posso fazer contra a revista é passar a escrever seu nome com "e" minúsculo, sem referências ao cérebro de quem a leva a sério ) bota um imbecil de classe média na capa, parecendo um terrorista suicida cristão ( talvez desejoso de mostrar serviço ao Papa que está vindo em breve ) prestes a atacar o Irã antes de Bush, outros vôos estão causando a maior repercussão, porém não merecem figurar nas páginas da prestigiosa, a julgar pelo silêncio da revista, mesmo estando o Estado de São Paulo sob ataque aéreo cerrado.

Até quando??
Acorda, Brasil !!!

( Putz, que ridículo !!! )

Panorama da Dengue
No mundo
A dengue é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) um dos principais problemas de saúde pública do mundo.
A OMS estima que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectam anualmente, em mais de 100 países, de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue.
No Brasil
De acordo com o Ministério da Saúde, os casos chegam a 70 mil, sendo 50 mil no Estado de Mato Grosso do Sul, principalmente na capital Campo Grande.
No Estado de São Paulo
• O número de casos de dengue saltou para 7.808. Ao menos duas pessoas foram infectadas pela dengue hemorrágica - variação da doença que pode levar à morte.
• O volume de casos nas seis primeiras semanas de 2007 foi de 4.304. No mesmo período em 2006 foram 2.013.
• O número de infectados pode chegar a 100 mil até o final do ano.

[ Alguns dados da dengue, elaborados pelo Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo ( CRF-SP ). ]

Etiquetas: ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

quarta-feira, 28 de março de 2007

CPI DAS CPIs ENGAVETADAS JÁ!!!

É isso mesmo!!!
Eu falei que este blog iria liderar uma campanha cívico-patriótica, exigindo de nossa Assembléia Legislativa a instalação de uma CPI para apurar o porquê de tanta CPI engavetada pelos governos do PSDB, isso em âmbito estadual.
Iniciamos aqui, oficialmente, a coleta de assinaturas que exigirá, por intermédio de uma petição online, a instalação desta tão sonhada CPI.
Nunca, na história deste Estado, houve uma campanha cívica de tamanha envergadura.
Cientes das dificuldades de levar adiante tal empreitada, lançamo-nos na batalha a partir de agora!!!
Assine!!
Divulgue!!!
Avise o papai e a mamãe!!!
Faça valer sua vontade!!!
CPI DAS CPIS ENGAVETADAS JÁ!!!

Etiquetas: , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Nova York contra o crime ( ocorrido no Brasil )

Esse documento aqui (PDF) é prá tirar uma cópia e mandar emoldurar!!!

Manhattan District Attorney Robert M. Morgenthau announced today the indictment of the former governor and mayor of Sao Paulo, Brazil, and four co-conspirators, for stealing more than $11.6 million from a Brazilian public works project.
PAULO MALUF, the former Governor and Mayor of the State and City of Sao Paulo, Brazil, and currently a Federal Deputy in the lower house of the National Congress of Brazil, is charged with participating in an over-invoicing and kickback scheme, which generated millions of dollars in criminal proceeds. The stolen funds were illegally transferred to a bank account in New York secretly controlled by MALUF, and then wired to another account under MALUF’s control in the Isle of Jersey, the Channel Islands. Some of the kickback funds were used to pay for personal expenses in the United States and Brazil and to finance political campaigns in Brazil.
In addition to PAULO MALUF, those charged in today’s indictment are his son, FLAVIO MALUF, SIMEAO DAMASCENO de OLIVEIRA, the Finance Director of a Brazilian construction company involved in the scheme, JOEL GUEDES FERNANDES, a cashier/pay clerk at the construction company, and VIVALDO ALVES, a black market money transmitter.
Mr. Morgenthau said, “As Mayor of the City of Sao Paulo, PAULO MALUF and his cohorts looted the city’s coffers and used New York as a conduit to move stolen funds to offshore jurisdictions where he believed they would be safe from detection. Today’s indictment sends the message that we will not allow New York to be used to funnel criminal proceeds no matter where they are generated.”
The investigation disclosed that while MALUF was the Mayor from 1993 to 1997, and continuing thereafter, the defendants conspired to steal and stole massive amounts of money from the City of Sao Paulo. MALUF used his position to install close friends and allies in key positions within the municipal government to facilitate the scheme.
The over-invoicing and kickback scheme involved the construction of an arterial highway in São Paulo known as the Avenida Agua Espraiada. To take part in the project, construction sub-contractors were required to submit inflated and false invoices to the general contractors. Upon receipt of these invoices, the general contractors, Brazilian construction companies Mendes Junior and OAS, submitted them for payment to Empresa Municipal de Urbanização (EMURB), the São Paulo municipal agency supervising the project. Following EMURB’S payment of the inflated invoices, the general contractors generated kick-backs to PAULO MALUF, FLAVIO MALUF, and others. The kickbacks were calculated and distributed by, among others, DAMASCENO and GUEDES.
The MALUFs received the kickbacks through both cash payments and the transmission of funds through illegal black market money operations, known as “doleiros,” to accounts they controlled in New York. Some of these illegal transmissions were in the form of wire transfers sent to an account at Safra National Bank, 546 Fifth Avenue in Manhattan, maintained under the code name “Chanani.” The Chanani account was opened by ALVES, who falsely indicated to the bank that ALVES and his wife were the beneficial owners of the Chanani account, when, in fact, it was controlled by the MALUFs. The MALUFs used the Chanani account to transfer funds to other accounts at Safra National Bank controlled by PAULO MALUF, FLAVIO MALUF, and other members of the Maluf family; some of this money was used to buy personal items in the United States for the MALUFs’ benefit, including watches and jewelry purchased from auction houses in Manhattan.
Other funds from the Chanani account were used to pay personal expenses and campaign expenses in Brazil, including PAULO MALUF’s 1998 campaign for Governor of São Paulo and the 1997 campaign for Mayor of São Paulo by PAULO MALUF’s chosen successor. The MALUFs also transferred funds from the Chanani account to accounts in Jersey they controlled. Ultimately, some of the money in the Jersey accounts was repatriated to Brazil using the doleiro system and paid out to the MALUFs in cash. During the 18-month period from November 1997 to May 1999, bank records show that $140 million passed through the Chanani account. Mr. Morgenthau said, “This scheme involved a project budgeted at $200 million that ended up costing Brazilians $600 million. Our investigation disclosed that the kickbacks to MALUF alone amounted to about twenty percent. This case represents corruption and greed on a colossal scale.”
Specifically, the indictment charges that from January to August 1998, a total of $11,680,832.62 was transferred into the Chanani account in fifteen transactions that ranged from $345,922.50 to $1,666,667.00. Similarly, the indictment charges that from January to November 1998, a total of $16,120,000.00 was transferred from the Chanani account to the account controlled by the MALUF’s in Jersey. Finally, the indictment charges that $1,143,279.87 was repatriated to Brazil through the Chanani account to pay campaign expenses in Brazil.
The indictment charges that PAULO MALUF was in charge of the conspiracy and received the largest share of the stolen money. His son, FLAVIO MALUF, helped set up and control the bank accounts in New York and elsewhere. VIVALDO ALVES set up accounts in Manhattan, and helped the MALUFs move the stolen money out of and into Brazil through doleiros. SIMEAO DAMSACENO and JOEL GUEDES, were both employees of Mendes Junior. DAMASCENO, the company’s Financial Director, supervised the over-invoicing scheme and kept track of the kickbacks PAULO MALUF received. GUEDES, a Mendes Junior book-keeper and pay clerk, wrote the checks for the over-invoicing scheme and made sure that the cash payments of stolen funds were distributed to the schemers.
The indictment further charges that the conspiracy continued into 2004, as the MALUFS attempted to conceal the conspiracy and keep control of their ill-gotten gains. For example, in 2004, an associate of PAULO and FLAVIO MALUF attempted to bribe a witness not to cooperate with law enforcement officials in Brazil investigating the scheme. Subsequently, in 2005, PAULO and FLAVIO MALUF were jailed in Brazil for about 40 days for attempting to influence a co-conspirator not to cooperate with Brazilian officials. Charges against PAULO MALUF and FLAVIO MALUF and other co-conspirators are pending in Brazil.
The defendants are charged in the seventeen count indictment with Conspiracy in the Fourth Degree, five counts of Criminal Possession of Stolen Property in the First Degree and eleven counts of Criminal Possession of Stolen Property in the Second Degree.
Mr. Morgenthau noted that in the past three years, the Manhattan District Attorney’s Office has investigated a number of illegal money transmitter cases involving the tri-border region of South America, comprised of Brazil, Argentina and Paraguay. Mr. Morgenthau said, “The Maluf indictment exemplifies the problems posed by black market money transmitters. All sorts of criminals use these systems to move money, including drug dealers, arms traffickers and terrorists. And, as today’s indictment shows, corrupt politicians who steal hundreds of millions from their constituents also use the black market. As more and more crime goes global, we must make sure that our banks are not used to facilitate the transfer of criminal proceeds no matter where they are derived.”
Mr. Morgenthau said that the investigation was conducted through the cooperation of law enforcement agencies on three continents. Officials in Brazil, Jersey, and the Manhattan D.A.’s Office, operating with court orders permitting the sharing of evidence, worked together to trace and freeze assets, bring forfeiture actions, and charge the appropriate individuals with criminal conduct. About $26 million in criminal proceeds have been frozen by the authorities in Jersey, and both Brazil and New York authorities have begun proceedings seeking forfeiture and repatriation of the stolen funds to Brazil.
Adam Kaufmann, Deputy Bureau Chief of Investigations Division Central, conducted the investigation with Assistant District Attorney Matthew Rosen, under the supervision of Arthur D. Middlemiss, Bureau Chief of Investigations Division Central and Dan Castleman, Chief of the Investigation Division. Investigative Analyst Matthew Murphy and Paralegals Surabhi Saraswat, Matthew Guarnieri and Kate Currie also worked on this investigation. In addition, Investigators Jonathan Savel and Tony Ortiz of the District Attorney’s Investigations Bureau were assigned to the investigation under the supervision of Senior Investigator Jose Flores and Chief Investigator Joseph Pennisi.
Mr. Morgenthau thanked:
From Brazil: The Prosecutor General of the State of Sao Paolo Rodrigo Pinho, State Prosecutors Silvio Antonio Marques and Sergio Sobrane, and Senior Technical analyst Monica Semarao; Prosecutor General of the Republic of Brazil Antonio Fernando de Souza and Federal Prosecutor Rodrigo de Grandis; National Secretary of Justice Antenor Madruga Fihlo, Advisor for Asset Recovery and International Cooperation Ana Maria Nunes de Souza Belotto, Carolina Yumi de Souza, and the analysts and staff assigned to this investigation from the Brazilian Ministry of Justice; Federal Police Delegados Protogenes Queiroz and Roberto Troncon.
From Jersey: Her Majesty’s Attorney General William J. Bailhache, Q.C.; former Senior Crown Advocate Cyril Whelan; and Barristers Collingswood Thompson, Q.C., and Stephen Gray.
Defendant Information:
Paulo Salim Maluf, DOB 9/3/1931Rua Costa Rica, No. 146 Jardim EuropaSao Paulo/SP
Flavio Maluf, DOB 12/2/1961Rua Goivois, 111Cidade JardimSao Paulo/SP
Vivaldo Alves, DOB 8/31/194564/17 Rua ParaguaiJardim PaulistaSao Paulo City
Simaeo Damasceno de OliveiraPraca Wilhelm BernauerParque de MoocaSao Paulo City
Joel Guedes FernandesRua Quintino BocaiuvaSanta Rita do SapucaiMinas Gerais
Charges:
Criminal Possession of Stolen Property in the First Degree, P.L. 165.54, a class "B" felony punishable by up to 25 years in prison.
Criminal Possession of Stolen Property in the Second Degree, P.L. 165.52, a class "C" felony punishable by up to 15 years in prison.
Conspiracy in the Fourth Degree, P.L. 105.10(1), a class "E" felony punishable by up to 4 years in prison.
###


Etiquetas: ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Mais truques da Indústria da Multa para encurralar o bom e decente motorista paulistano !!!



Aqui o bicho pega !!! Nós denunciamos mesmo !! Aqui ninguém tem medo não !!

Fica esperto, cidadão !!!
Saiba mais sobre a maldita conspiração da CET para arrancar nosso couro!! Veja mais de seus truques, descobertos por nosso colegiado de investigadores.


Guia rebaixada radiocontrol: Essa ultrapassa todos os limites da indecência. Sabe aquele furgão da Comgás ou da Sabesp que estava fazendo obras de reparos em sua rua outro dia? Buracão que abriram, né? Só que ninguém estava mexendo em cano de água coisa nenhuma. Estavam instalando a última tecnologia em nabo para proprietários de automóvel. Trata-se da calçada retrátil que se torna guia rebaixada, bastando um comando vindo por rádiotransmissão do laptop do amarelinho. Você estaciona, inocente como só você mesmo, no meio-fio e se encaminha ao seu compromisso. E o gavião lá, só espreitando, fingindo estar organizando o trânsito ( alguns nem fingem mais ), até que você esteja distante. Ele constata estar em segurança, aperta uma tecla ( ou coisa que o valha ) no aparelhinho do capeta que a Prefeitura lhe forneceu, e a mensagem de rádio é recebida e bota o mecanismo para funcionar, fazendo a guia normal virar uma guia rebaixada. E seu carro lá. Quando você volta, tá lá a folha amarela e o carbono no seu parabrisas, e o bandidão fingindo que não é com ele. Isso, quando ele não te dá uma encarada feia por você ter estacionado na guia rebaixada.

Rodízio-sorteio: Mas é só eu que vejo isso, meu Deus!!! Saiu no jornal que houve um aumento de 55% de multas por "furar" o rodízio. Mas como o bom e nobre cidadão pode lidar com o fato de que foi adotado um sistema - só para arrancar nosso dinheiro - no qual a placa do carro que não pode circular é sorteada às 9:00 da manhã, quando as pessoas já se encontram no trânsito? Elas, para não chegarem atrasadas em seu belo emprego, arriscam a sorte saindo de casa com seu veículo, esperando não serem sorteadas naquele dia. Este é um dos casos em que não vale a pena ganhar um sorteio: está mais para roleta-russa que para Mega-Sena!!
Parabéns aos Investigadores da Cidadania Luciene e Leonardo SCCP ( ambos os nomes são pseudônimos ) por seu importante trabalho de pesquisa, que tem resultado em quilos e quilos de documentos sigilosos e provas incontestáveis da mancomunação entre a CET, a Prefeitura e as Indústrias Reunidas DaMulta, só para ferrar o povo.

Até quando???
Até Quando???
Até Quando???
Até Quando???

Etiquetas: , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Alckmin nos faz uma visita. Soninha comenta.

Ele voltou.
E com destaque positivo na capa do UOL.

Depois de um tempão sumido da mídia, em que “não foi encontrado” (ou nem foi procurado) para comentar temas como o acidente no metrô, o resultado pavoroso dos exames nas escolas públicas estaduais, o desempenho medonho da SABESP (no Dia Mundial da Água, choveu críticas de prefeitos de cidades onde a empresa recolhe o esgoto e despeja no rio, sem tratamento algum...), as melhoras na CPTM que foram prometidas para 2006 e não foram entregues (segundo matéria da Folha de dias atrás), problemas orçamentários diversos (volta e meia se menciona que o governo precisa cortar isso e rever aquilo, porque o que o Alckmin deixou não é suficiente), o descalabro continuado na Guarapiranga, presídios, Febem e muitas outras heranças malditas, Geraldo Alckmin ressurge dando entrevista sobre o governo Lula, cuspindo-regra (a expressão que me ocorre é bem mais chula), dizendo como a oposição deve ser, se apresentando como a salvação do PSDB, dizendo que perdeu a eleição por problemas de comunicação (como se não tivesse tido um furacão de imprensa a favor e quase nada contra). Está lá na Folha de hoje,
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2603200705.htm, “Oposição não tem de dar trégua a Lula”, diz Alckmin. E o PT, super atento, convoca manifestação para culpar Serra-Kassab pelo buraco do metrô... Daqui pouco Geraldo, o intocável, está de volta, para ganhar mais uma eleição e fazer mais uma gestão pífia, para não dizer horrorosa. E ninguém faz uma crítica a ele. Uma. Nem o PT. É o maior fenômeno que eu já vi (talvez por não morar em Minas, onde Aécio é Deus na mídia).

(Do Aécio se fala, com a maior naturalidade, que ele “está de olho em 2010”. Nem por isso qualquer coisa que ele faça ou deixe de fazer é chamada de “eleitoreira”, como aconteceria com qualquer outro mortal... A Folha conta, por exemplo, que ele “já programou também uma série de viagens pelo país” porque quer participar do “jogo em 2010”, e tudo bem. Ele governa Minas do avião. Aliás, também saiu na Folha que ele, que vem falar em “choque de gestão”, mandou um jatinho buscar Ricardo Teixeira, da CBF, para aquela conversa sobre o Mineirão na Copa de 2014. Ficou por isso mesmo; se alguém achou um escândalo, não repercutiu).

Eu não sei pra que santo esse pessoal acende vela, mas é poderoso.

PS: Nos Estados Unidos, Alckmin “conta ter falado sobre saúde em um hospital e sobre segurança em uma academia militar”. Depois do Blairo Maggi falando sobre desenvolvimento sustentável, nada mais me espanta. Podiam chamar também o Maluf para uma mesa sobre “Transparência nas contas públicas”, o ACM para palestrar sobre “Democracia, liberdade e republicanismo”, e assim por diante.

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Os jornais e revistas estão empurrando a culpa do apagão educacional continuado nas costas dos professores. Entretanto...

... trata-se de um assunto deveras complexo, mas não impossível de se lidar. Nestes últimos dias, há páginas e páginas de impressões dos especialistas palpitando sobre "o que há de errado" e "como resolver isso", porém poucas linhas dedicadas a ouvir o pedagogo, o professor ou o sindicato que o representa. Pior, já que é nas costas destes que a conta está sendo jogada. Não está de todo errado. O especialista que me abastece de informações, diz que o professorado aderiu ao tucanismo e está quase que totalmente despolitizado. Pois aquele que questiona certos aspectos, sejam localizados ou estruturais, fatalmente desanimará, pois se descobrirá inapelavelmente enredado no sistema. Voltando aos especialistas do negrito acima. Quando o governo federal anunciou o "PAC" da Educação, o Estadão publicou - para a surpresa de muitos - elogios de, digamos, personalidades, que enxergaram com bons olhos a iniciativa. Como o teclador aqui não sabe patavina do PAC, só desejo mesmo é registrar que as pessoas ouvidas pelo jornal - até onde eu acompanhei - são economistas, "gestores" ( fdpqp!!! como eu detesto esse termo!!! ), "consultores" (fdpqp2!!! ), empresários do setor privado, essa gente que "propõe administrar o Estado como se fosse uma empresa". Mas não percebi professores, pesquisadores, educadores ou representantes do Magistério e do funcionalismo público já que é da escola pública que estamos falando. Nesses artigos dos jornais, o professor aparece como o vilão especialmente concursado, cujas faltas para ir ao cabeleireiro estão arruinando a revolução educacional adotada por diversos governos estaduais e municipais.
Contribuindo com a discussão, publico abaixo um texto ( já velhinho, de 24 de Novembro de 2005 ), da Agência Estadual de Notícias do Paraná, que me apresentou um fato desconhecido ( quer dizer, eu desconhecia que isso acontecesse ou que houvesse a possibilidade de ) por aqui em SP: diretores de escola eleitos e não indicados politicamente ( mesmo sendo técnico ou profissional de carreira ), como é aqui no Estado. Vejam:


Escolas estaduais realizam eleições para diretores nesta sexta-feira
As 2.100 escolas estaduais que inscreveram chapas até o dia 04 último realizam eleições nesta sexta-feira (25), das 8 às 22 horas, para a recondução ou escolha de novos diretores. As chapas inscritas apresentaram um plano de ação a ser aplicado durante os dois anos de gestão. Com base nesse plano, a Secretaria de Estado da Educação vai preparar o curso de formação para os novos diretores, que será ministrado em Faxinal do Céu.
A primeira etapa do curso acontece entre os dias 05 e 10 de dezembro.Segundo um dos coordenadores da Comissão das Eleições da Secretaria, professor Sérgio Fernandes Stacheski, a Lei estadual número 14.231/03 determina que os diretores poderão participar de até três eleições consecutivas, ou seja, uma eleição mais duas reconduções. O mandato é de dois anos.
A professora Elisabete Mendes dos Santos, também integrante da Comissão, explica que a partir da reformulação da Lei, ocorrida em 2003, a Secretaria deixou de votar na escolha de diretores, como se fazia até então, por intermédio do voto do Núcleo Regional de Educação (NRE). “A Secretaria da Educação fica isenta na escolha de diretores de escolas. Essa prerrogativa, agora, é tão somente da comunidade escolar (alunos, pais, professores e funcionários de estabelecimentos escolares). A isenção traz mais liberdade de escolha para concorrentes e votantes”, diz ela.
O professor Stacheski, explica ainda que, para eleger o novo diretor ou reconduzir o diretor atual, é necessário um quorum de 35% do público apto a votar (pais, alunos, professores e funcionários). Caso esse número não seja atingido, ou o número de votos brancos seja superior aos votos válidos, haverá um novo processo eleitoral nessa escola, no dia 09 de dezembro. Existe ainda a possibilidade de uma intervenção se, nesse segundo pleito, não for possível decidir. Todas as escolas deverão estar com suas direções regularizadas até 15 de abril de 2006.
O público esperado para comparecer às escolas durante as eleições é de 2,3 milhões de votantes, sendo 1,4 milhões de alunos, 95 mil professores e funcionários e aproximadamente 900 mil pais. Na logística das eleições estarão envolvidas 55 mil pessoas.


Chato isso, não? Participação e envolvimento direto das pessoas no processo de escolha do diretor escolar. Talvez a mera escolha direta do diretor não resulte em melhora imediata ou melhora simplesmente, pois há outros aspectos e elas dizem respeito a determinações superiores, ou seja as diretrizes dos governos e suas secretarias de Educação, tanto em nível municipal como no estadual, suas concepções educacionais-pedagógicas e administrativas. Não vou deixar passar batido: o especialista que me abastece de informações, disse que a situação que estamos observando no Estado não era muito diferente na prefeitura de Marta Suplicy, pelo meos no que diz respeito ao tratamento dispensado ao corpo docente.

Aqui nesse ponto: um ensaio aprofundado - ou reflexão filosófica - sobre o papel do diretor de escola pública. Exigirá concentração e disponibilidade de tempo.
Aqui nesse ponto: o que é o Conselho de Escola ?

Etiquetas: , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

terça-feira, 27 de março de 2007

Mais tramóias da Indústria da Multa, denunciadas aqui !!!



É isso mesmo!!!
Dando continuidade ao nosso infatigável e hercúleo trabalho de investigar e denunciar a ação criminosa das Indústrias Reunidas Damulta - cujas artimanhas não parecem se esgotar mas, ao contrário, se reproduzem qual coelhos no cio - vamos revelar aqui mais alguns de seus sórdidos truques:
Emulsão: tinta das placas misturada ao sumo de limões e anilina: Esta é mortal. Sensível ao calor do motor, esta tinta é usada da seguinte maneira: a placa que o motorista vê, quando estaciona à sua frente tem apenas o tradicional "E" de cor preta. Bastarão alguns minutinhos, quando o dono do carro já estiver afastado, e uma barra vermelha transversal cruzará a letra, mudando por completo a placa, tornando o local proibido a estacionamento de carros;
Esteira rolante adaptada ao meio-fio: Covardia. Você estaciona seu carro depois da placa de "Proibido Estacionar", motorista consciente que é. Também sensível ao calor do motor a esteira, depois de alguns minutinhos, transporta seu carro e o deixa bem diante da placa, tornando-o mais uma vítima da Indústria. Algumas têm sensor de cochilos, e transportam seu carro para a área proibida mesmo com você dentro dele!!!
Nossos investigadores estão colhendo mais informações e provas, que serão publicadas oportunamente.

Etiquetas:

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Dando espaço às opiniões divergentes, mesmo quando não passam de um belíssimo monte de valiosas e sábias palavras.

É isso mesmo !!! Quando terminaram as eleições últimas, uma cidadã de bem escreveu para o Estadão, e sua carta foi muito inspiradora, podes crer. Entre outros belos ensinamentos, ficamos sabendo que esta senhora passou a fazer parte da "elíte" ( é com acento mesmo que eu escrevo aqui, copiei de um site/blog publicado por pessoas iguais a ela ) , já que não votara no apedeutismo-etílico-petista.
Coisa que nós, ladrões, fizemos e nem nos envergonhamos disso, seus vermes !!
Eu recortei e guardei com carinho o texto da mulher e, quando achá-lo, vou botá-lo aqui, na íntegra, até com o endereço do email da fulana.
Neste momento, desejo compartilhar este email não solicitado que recebi, vejam que verve e audácia. Lindo.
Não precisam me agradecer.
Do Observatório de Inteligência
Por Orion Alencastro
O sangue da sociedade brasileira tinge o chão das ruas das cidades, infelicita famílias que vão perdendo seus entes queridos sob a sanha dos que são alimentados pelo crime.
Sequestram, assaltam, matam a sangue frio, asfixiam e incineram corpos, arrastam crianças indefesas, dependuradas até a morte, em um veículo na cidade maravilhosa do crime.
Estranho. Onde estará Dona Marisa Letícia, primeira mãe da Nação que não consola mães que perdem seus filhos barbaramente?
Não ouvimos uma palavra de alento, solidariedade e repulsa do ex-candidato a Prêmio Nobel da Paz, Dom Paulo Evaristo Arns, do ex-ministro José Gregory, pioneiro da Comissão de Justiça e Paz, do angélico Frei Beto, do douto Professor Dalmo Dalari, apologista dos Direitos Humanos, do Frei "chapa fria" Bofe, Marisa não tem nenhuma palavra de conforto para as mães que choram os seus filhos.
Teólogo da venenosa Teologia da Libertação, do espírito flutuante do saudoso pastor-reverendo White, do padre Lancelloti, plantonista de tragédias, e tantos outros.
Onde está o movimento aproveitador das pensões da ditadura, "Tortura Nunca Mais"? Onde está o seu advogado milionário, Luiz Eduardo Greenhalg, defensor dos Direitos Humanos, que turbou a investigação do assassinato do colega petista Prefeito Celso Daniel?
Essa gente, piolho vermelho, não aparece para defender a sociedade da tortura imposta pelo crime que se avantaja no governo de Luiz Inácio da Silva, o mesmo que sustentou uma quadrilha de criminosos já denunciados pelo Procurador-Geral da República.
Julio Lancelloti: as crianças de rua do Rio de Janeiro esperam sua ajuda. Que vergonha! Que cinismo dos líderes religiosos! Onde está o clero brasileiro, a poderosa multinacional Igreja Universal do Reino de Deus e seus agentes políticos, que não bradam e não saem às ruas contra o crime?
Onde está Mr. Francisco Whitaker, ex-presidente da Comissão de Justiça e Paz, hoje líder e fundador do Fórum Social Mundial, metamorfose do Movimento Comunista que agasalha (???) todas as organizações narco-terroristas do planeta?
A história demonstra que todas as tiranias começam adulando movimentos que contrariam a ordem pública e social. O crime é munição e agente da esquerda. Seus militantes são reservistas de primeira categoria para o alinhamento ao assalto do poder, quando um governo desarma a sociedade boa, generosa e trabalhadora, do seu legítimo direito de defesa.
Estamos sob o governo do crime complacente, indulgente, que ajuda e subvenciona o Crime Organizado dos Sem Terra e Sem Teto, treinados pelas FARC e outros, que atemorizam, invadem, destróem e rendem notícias e imagens de um país sem a segurança do direito.
Até quando assistiremos a classe togada, os magistrados que não andam a pé nas ruas, permanecer covardemente entocada, sem reagir unissonante contra o crime que avança, domina e vai tomando conta de todos os setores da vida nacional?
Nota do Blog 1: "Piolho vermelho" ? Putz, da hora ! Vou copiar !!
Nota do Blog 2: Onde está você, Orestes Quércia? Onde está você, Franco Montoro ?
Nota do Blog 3: Já tomou conta deste setor aqui. Búúúú !!!

Etiquetas: , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

segunda-feira, 26 de março de 2007

A Educaçăo no segundo governo Lula

Jasson de Oliveira Andrade

No dia 15 de março, o presidente Lula lançou o seu programa de Educaçăo para o seu segundo mandato. O Plano de Desenvolvimento da Educaçăo (PDE) somente mereceu louvores, diferentemente do PAC (Programa de Aceleraçăo do Crescimento), que recebeu elogios e críticas. Segundo o Estadăo, entre as promessas do pacote, temos para a EDUCAÇĂO BÁSICA: Cada sistema municipal e estadual receberá uma nota, de 0 a10, avaliando a qualidade. A avaliaçăo terá como base os indicadores de evasăo e repetência e os resultados da Prova Brasil (avaliaçăo nacional dos alunos por escola). A adesăo ao programa será voluntária, mas o governo federal dará assistência técnica, equipamento, recursos pedagógicos e dinheiro, quando necessário. Quem aderir terá de assinar um compromisso com 16 diretrizes. Para os PROFESSORES: O piso salarial nacional dos professores deverá ser definido por projeto de lei a ser encaminhado ao Congresso em 15 dias. Deverá ficar em torno de R$ 800 [o piso salarial dos professores foi uma meta do candidato a presidente Cristovan Buarque]. Para a JUVENTUDE: Ampliaçăo do programa Bolsa Família para jovens até 17 anos, que receberăo uma parcela do benefício se continuarem estudando. Aqueles que completarem o ensino fundamental receberăo uma poupança. Teremos ainda a integraçăo dos programas voltados para a juventude. Para o ENSINO INFANTIL: O governo federal vai repassar recursos para os municípios construírem escolas. A meta é fazer 400 escolas por ano. PROVAS: O Ministério da Educaçăo vai criar uma avaliaçăo para verificar alfabetizaçăo no sistema público de ensino de crianças de 6 e 8 anos. A idéia é criar uma Olimpíada de Língua Portuguesa para engajar as escolas na melhoria do ensino de português. Existem ainda planos para a Educaçăo profissional e para o Ensino Superior.
A Folha de S. Paulo é uma crítica do governo Lula. Seus Editoriais, a maioria, são contra as medidas tomadas pelo presidente. O mesmo năo aconteceu com o PDE.
O jornal, no Editorial “Um bom plano” (18/3/2007), diz: “Governo acerta ao criar índice de desempenho na educaçăo e associá-lo a repasse de recursos federais e ajuda técnica.” Ele afirma ainda: “O Plano de Desenvolvimento da Educaçăo (PDE), cujas diretrizes foram apresentadas nesta semana pelo ministro Fernando Haddad, foi recebido com elogios até mesmo por adversários políticos do governo Lula. (...) A proposta é de fato positiva. Abrangente, ela prevê açơes em todas as fases do ensino formal, das creches até a pós-graduaçăo, atingindo os mais diversos atores, de alunos e docentes a diretores. Săo engenhosos alguns de seus mecanismos – como a criaçăo de um indicador de qualidade que combine desempenho em provas com dados de repetência e evasăo. (...) A espinha dorsal do plano repousa na educaçăo fundamental. Faz sentido. É quase unânime o diagnóstico de que o sistema está fracassando já na fase crucial da alfabetizaçăo.”
A Folha encerra assim o seu Editorial: “Há poucos reparos a fazer sobre as linhas gerais do novo plano. É necessário ter em mente, porém, que se trata de diretrizes a exigir ainda um bom esforço de detalhamento – fase em que costumam aparecer os conflitos políticos e burocráticos. Para năo mencionar a tarefa mais complicada de projetos ambiciosos como o PDE. A conferir”.
A VEJA faz uma campanha massacrante contra o governo. O presidente Lula e o PT foram capas da revista procurando desmoralizá-los. Na ediçăo do dia 21 de março, ela publicou suas capas desde a sua fundaçăo até hoje. Os assinantes e os leitores dela poderăo constatar o que digo, vendo as capas a partir do governo Lula. Podem contar uma a uma. Săo incontáveis, mas quem tiver paciência tente contar.
Pois bem. A VEJA dessa mesma data publicou, à página 58, uma notícia elogiosa ao PDE. Fiquei surpreso, a começar pelo título: “Enfim, um bom pacote”. Eis o que revista comenta: “O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou um pacote de 8 bilhơes de reais para tentar tirar a educaçăo brasileira dos “piores lugares do mundo”, como ele mesmo definiu com acerto a situaçăo. O Brasil ocupa a incômoda rabeira nos rankings internacionais do ensino. O Plano de Desenvolvimento da Educaçăo (PDE), concebido pelo [jovem] ministro Fernando Haddad, é um conjunto de quarenta medidas focadas em elevar o nível nas salas de aula do país, da pré-escola à universidade. (...) Com a mudança prevista, a distribuiçăo do dinheiro passará a levar em consideraçăo a melhoria da qualidade do ensino em cada escola – sintetizada por um indicador que cruzará taxas como a de repetência e o resultado dos estudantes em exames oficiais. As escolas de melhor desempenho receberăo mais verbas, como ocorre em países da Europa e nos Estados Unidos”. Segundo a VEJA, “os especialistas, mesmo os de oposiçăo, avaliam que finalmente o governo Lula conseguiu um plano factível capaz de ajudar o Brasil a năo dar mais vexame em sala de aula”.

O governo pediu aos ex-ministros da Educaçăo, Paulo Renato (PSDB), ex-ministro de Fernando Henrique e Cristovan Buarque (PDT), ex-ministro do primeiro governo Lula e que foi exonerado de maneira descortês (pelo telefone), para que ajudem, com conselhos e críticas, a detalhar o PDE. Eles aceitaram. É que a Educaçăo brasileira está acima de qualquer divergência política. Nota 10 aos dois!!
Estamos acostumados aos planos educacionais que falharam, com exceçăo os do governo Brizola no Rio de Janeiro, que recebemos este com desconfiança, esperando que realmente dê certo e que năo fique apenas no papel. Como afirma a Folha, a conferir!
JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é jornalista em Mogi Guaçu
Março, 2007

Postado por Redaçăo Portal Mogi Guaçu

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Mais uma tragédia na privatização da Linha 4 - Amarela

Sobre a privatização da Linha 4 - Amarela, ilusoriamente denominada Parceria Pública Privada (PPP), já era escandalosa o percentual de 27% (US$ 340 mi) referente à participação do Consórcio vencedor da licitação contra 73% (US$ 940 mi.) do poder público, que durante 30 anos terá que subsidiar o lucro das empresas consorciadas. O contrato ainda prevê que o poder público terá que pagar ao concessionário US$ 37 mi, parcelado em 48 prestações e sequer está comprovado que será mesmo desembolsado os US$ 340 mi, comprometidos no contrato. Em seus diversos informativos, os metroviários denunciavam que o percentual real a ser aplicado pelo consórcio privado seria muito inferior aos 23% apregoados nas propagandas veiculadas pelo Governo do Estado de SP. Este cenário começa a se consolidar com o pedido do governador José Serra, de tramitação em caráter de urgência na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), do Projeto de Lei 74/2007, publicado no dia de 21 de março no Diário Oficial do Estado. O Projeto solicita autorização para contrair empréstimos internacionais, no valor de US$ 450 mi, nos Bancos Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD, Sumitomo Mitsui Banking Corporation e Japan Bank for International Cooperation - JBIC. Com este empréstimo, sobe para US$ 1.390 bi a participação direta do Estado de São Paulo na implantação da Linha 4 - Amarela, reduzindo para apenas 19% a participação da iniciativa privada na Linha 4 - Amarela, o que faz com que a tragédia seja muito maior. Porém, se contarmos que o contrato prevê como obrigação do Estado investir mais US$ 180 mi na expansão, modernização e aumento da frota de trens da Linha "C" da CPTM para garantir usuários na transferência da Estação Pinheiros. Somado aos pedidos de aditivos já solicitados ao Metrô pelo Consórcio Via Amarela, que ultrapassam US$ 200 mi, a participação do Consórcio Metrô 4 resume-se a menos de 15%. Todas estas denúncias já foram feitas pelo Sindicato e pela Federação Nacional dos Metroviários ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Tribunal de Justiça de São Paulo, ALESP e mais recentemente à Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Os metroviários não vão se calar e continuarão a luta para evitar que os interesses privados mais uma vez se sobreponham aos interesses do povo trabalhador de nossa cidade e de nosso estado.
Sindicato dos Metroviários

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Decidido: EUA atacarão o Irã em Abril !!!

Chocante essa chamada, hein? Até eu me assustei!!
Seguinte: se consegui traduzir direito, uns experts russos prevêm que os Estados Unidos lançarão o ataque ao Irã logo na primeira semana de Abril. Parece que isso ficou decidido, quando o diretor da AIEA, Mohammad el Baradei admitiu, num informe tornado público em 20 de Fevereiro, que a agência que comanda não pode garantir o "caráter civil" do programa nuclear iraniano.

Caso você entenda espanhol, leia a notícia nesse idioma aqui nesse ponto. Aliás, essa notícia já tem uns 6 dias.

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Eu quero a CPI das CPIs engavetadas !!!

É isso mesmo!!!!
Essa droga desse suposto apagão aéreo torrou o saco! Nós, aqui do lado de fora só ficamos tentando adivinhar o que ocorre, e se é que ocorre.
Eu já disse ontem: se é para ter CPI dos aeroportos ou sei lá, que tenha, pois como nas anteriores, chegarão neles mesmos.
Aliás, lembrei de algo que li numa Carta Capital antiga: ACM disse que FHC sabia muito bem que haveria o apagão ( o original, não essa tentativa de batizar algo diferente com o apelido do que foi criado pela tucanalha ) elétrico. Mas o sabidão disse que "não sabia de nada". Engraçado, acho que já ouvi isso em algum lugar, mas só FHC foi poupado pelo jornalixo brasileiro.
E mais, não se pode esquecer dos pilotos americanos e das pressões das companhias aéreas para que seja construída mais uma pista em Guarulhos. Há uma concentração de vôos em apenas dois ou três aeroportos, e há vários ociosos que as empresas não utilizam pois lucrariam menos. Isso, de acordo com um texto da Folha que ainda não achei, junto com minhas anotações.
Voltando ao assunto do título. Parece que hoje tinha uns parlamentares no aeroporto de Congonhas, colhendo assinaturas para tentar forçar a instalação da CPI do aviãozinho.
Já que é para sacanear, eu vou logo chutando a porta:
EU QUERO A CPI DAS CPIS ENGAVETADAS PELOS GOVERNOS TUCANOS AQUI EM SÃO PAULO !!!! POR QUÊ ENGAVETARAM ??? REPITO: A CPI DAS CPIS ENGAVETADAS !!!
Aguardem: este blog vai liderar a campanha cívico-moral que exigirá esta CPI de nossos deputados estaduais.

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

domingo, 25 de março de 2007

O Apagão Educacional Continuado... continua !!!

Outro dia reproduzi aqui uma carta que mandei para o JT, sobre o assunto Educação. Também havia mandado para a repórter, que me respondeu com algo que parecia "mensagem automática": "Obrigada pela sugestão. Vou encaminhá-la à seção de cartas."
Bom, o jornal publicou. Só que aí, um Zé Ruela teve sua carta, sobre o mesmo tema, publicada no dia 23 agora, e parece o estatuto do macartismo tupiniquim. Eis:
RENOVAÇÃO
A escola pública tem amplas possibilidades de renovação, retornando às aulas de origem quando ocupava o posto de vanguarda no ensino. Porém, primeiramente ( estão prontos? ), é necessário a imediata despolitização dos professores, hoje predominantemente ligados à CUT. Do jeito que está (???), com esses mestres mais preocupados em discussões políticas e greves com conotações de esquerda (???), nada poderá ser feito. Além dissso, a escola deve retornar ao seu princípio básico, ministrar conhecimentos e não ideologias de esquerda, sempre reivndicatórias (???) e retrógradas. Deve-se retornar ao sistema de exames pontuais, com reprovação caso a média não seja alcançada, não essa plástica para recebimento de proventos da ONU que em nada contribui para a cultura da sociedade.
J.A.R
Capital
Eu respondi, no mesmo dia 23. Ainda não publicaram. Eu publico primeiro, então:
"Ainda sobre o tema Educação. Não sei se esse espaço permite, mas trata-se de pequena reflexão acerca da carta do leitor J.A.R., publicada hoje, um manancial de "chutes" e paranóia antiesquerdista anacrônica.
A causa dos males que arruinam a escola pública, sintetizou o leitor, está na "politização dos professores ligados à CUT". Estes estariam contaminando as aulas de nossas crianças com sua doutrinação esquerdista, incutindo-lhes, desde a tenra idade, o ideário revolucionário. Premissa risível.
Para o leitor, os docentes estão "mais preocupados em discussões políticas e greves com conotações de esquerda", e em ministrar "ideologias de esquerda" reivindicatórias e retrógradas ( palavras dele ).
Pessoalmente, eu gostaria de saber de quais escolas e quais mestres está se falando aqui. Acho que nunca o professorado se mostrou tão despolitizado, tão desunido e, consequentemente, tão aviltado e humilhado. Há tempos que não se vê uma greve digna de ser chamada dessa forma, mesmo sob as condições a que têm sido submetidos, há mais de uma década, sob o tacão do desmonte tucano no Estado de São Paulo.
Para mim é uma pena, mas estou propenso a concluir o contrário do leitor: o conformismo enraizou-se no espírito da maioria dos professores, da mesma forma que o fizera antes no espírito de alguns leitores de jornais, conforme lemos em suas manifestações ( dos leitores, bem entendido ) opinativas."

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

É canalhice escondida atrás de diploma !!!

Leiam isso:
"Apagão aéreo fez Infraero fechar 2006 no vermelho"
Estatal dos aeroportos teve perda de R$ 135 milhões
O Globo, 25/03
Olha, eu nunca entrei num avião. Outro dia subi na laje para detectar alguma possível telha quebrada, e fiquei no maior cagaço, que piorou na hora de descer. Ou seja, morro de medo, entre outras coisas, de altura. Mas essa droga desse "apagão aéreo" encheu o saco. PQP !!!
Por quê essa porra da Veja não colocou o craterão do Metrô do Alckmin na capa daquela bosta de revista ?
Que se dane a classe média !!
Eu não entendo nada de avião, aeroporto, embarque. Então me dispus a ler algumas matérias de jornais ( foram bem poucas ) a respeito do "apagão", algumas páginas de revistas ( como a Exame, que entrevistou o presidente da TAM e o título da matéria não dá margem para dúvidas: "Nós ( a TAM ) erramos.". Reconhecendo seu papel no rolo ( putz, sem trocadilho, mas ficou legal ) todo, esse papo de overbooking, ou seja, a contribuição do patrocinador do SPFC ao enrosco aéreo.
Mas não vou falar sobre isso, que as anotações estão em outro lugar e eu preciso delas. Uma coisa: existe certa pressão das companhias, dos "especialistas" a seu soldo, para que o governo ( acho que o Federal ) construa uma nova pista no aeroporto de Guarulhos.
Se lembro bem - considerando a hipótese de que eu tenha entendido alguma coisa - o governo garante ( prevê ) a reforma e ampliação do "terminal de passageiros" ou sei lá. Acontece que, segundo matéria da Folha, pouquíssimos aeroportos concentram quase todo o movimento aéreo do país, Cumbica inclusive. É mais lucrativo, anotem isso.
Existem lugares ociosos ( acho que a Carta Capital fala disso essa semana ) e o desejo de empresários para que as prefeituras dessas localidades dêem subsídios, incentivos para que entrem nas rotas.
Posso estar errado em meu raciocínio. Acho que há uma tentativa de insuflar uma espécie de guerra, como aquela "Guerra Fiscal", só que envolvendo municípios ou aeroportos. Cada um oferecendo maiores vantagens, aquela concorrência de que falam tanto.
E se, nessa briga toda, o governo resolve ceder e acaba construíndo mais uma pista em Guarulhos? As companhias irão "voando", tornando a abandonar os outros aeroportos menores, como está hoje em dia. Voltará a concentração em poucos aeroportos. É isso o que querem.
Voltando ao assunto original.
Lendo melhor o texto do Globo a que me referi, dei conta de que não foi o apagão aéreo que causou esse suposto prejú de 135 milhões. A empresa teve, isso sim, que reconhecer uma dívida vencida da Varig, no valor de R$ 185 milhões ( não entendo de contabilidade, estou apenas relatando ) e o artigo admite que, sem esse procedimento, haveria um lucro de R$ 8,9 milhões. Além disso, e a canalhice está aqui, o prejuízo da Infraero em 2006 foi 3 VEZES MENOR que 2005 !!! Naquele ano, o prejú foi de R$ 458 milhas ( sem trocadilho ).
Ajudando com o rombo, contribuiu com 25,5 milhões para o esforço federal do superávit primário, 5 vezes mais que o previsto inicialmente.
Enfim, aproveitando a zona, botam todo o tipo de informações para reforçar a imagem caótica da aviação, somente esquecendo de lembrar dos pilotos americanos e da denúncia da Carta Capital, que alega ter a rede Globo ignorado o acidente para noticiar o dinheiro do dossiê, possivelmente para prejudicar a candidatura Lula. Se fizerem CPI, vão lembrar disso ?

Etiquetas: , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Indústria da multa persegue celebridades !!!

Me contaram essa, vamos ver se vou saber passar direito. É o seguinte: o Netinho do Gueto ( nossa Oprah ) recebeu uma multa de trânsito nas proximidades da Avenida Rebouças. Saíndo da Rua Estados Unidos, entrou à direita na avenida ( manobra não permitida naquele local ) e quase acertou alguns pedestres. Antes da conversão ilegal, parado no semáforo, negou 1 Real a um desses garotos que tentam ganhar a vida lavando parabrisas.
Não deu 1 Real para o garoto, vai dar 100 para a CET.

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

A indústria da multa mostra seu poder !!!


É isso mesmo !! Quem leu os informativos jornais no dia de ontem, ficou sabendo que nunca antes nesta cidade se multou tanto!!! Houve um aumento de punições aos supostos delitos: falar ao celular enquanto dirige-se e passar no sinal vermelho.
Como sempre o cidadão de bem não tem como se defender do Estado ( com "E" maiúsculo ) quando este lança mão de sua fúria arrecadatória.
Mas eu, aqui nesta trincheira, não fico quieto não !! Ontem mesmo eu mandei uma correspondência para a seção de cartas de leitores do Jornal da Tarde, cujo teor reproduzo abaixo:
"A indústria da multa, diversas vezes denunciada por sua gula punitiva e arrecadatória, não toma jeito mesmo. Agora deu, maquiavélicamente, para colocar celulares ( com crédito ! ) nas mãos de nossos corretos e incautos motoristas, induzindo-os à prática de delitos automobilísticos, só para vitaminar os cofres da Prefeitura.
Como se não bastasse isso, ainda estão instalando sensores nos semáforos, para que estes mudem para o "vermelho" quando nosso carro estiver passando por ele, sem que tenhamos chance de frear e evitar mais esta multa e a conseqüente perda de pontos na carteira.
ATÉ QUANDO ??? "
Notem que não faltou nem a inútil pergunta retórica que certos criativos leitores de jornais costumam botar em suas ladainhas, acho que com a finalidade de motivar o cidadão e enchê-lo de brios e civismo.

Etiquetas: , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Acho que encontrei a resposta para o sentido da vida.




Juninho, um aluno de uma dessas escolas caras, tipo Dante, surgindo em uma banca de jornais, acompanhado pela mãe, naqueles 4 X 4 do tipo Troley, não sei se é essa a marca.
E pede para o comerciante um jornal ou revista, em que tenha algum texto sobre o aquecimento global, esse assunto aí que está na moda.
A professora pediu para fazer um trabalho, que vale boa nota, e o garoto quer passar de ano. Tem que fazer um trabalho bem bonito, com fotos, gráficos, capa criada no computador. E FODA-SE O CONTEÚDO !!!
Enquanto o jornaleiro, pacientemente, mostra para o garoto algumas publicações, a mãe começa a escolher algumas revistas para ela mesma. E também vai levar alguma coisa para o marido.
Quatro Rodas - claro ! - pois a família quer trocar de carro ainda neste ano; a Veja... a Caras... a Casa Cláudia, pois já está na hora de renovar a decoração...algumas revistas de moda e comportamento feminino, tipo Elle, Estilo e Vogue. Mas quer voltar logo para o carro, pois está o maior calor e lá dentro tem ar-condicionado ( remédio ideal para afastar o desconforto do aquecimento do planeta ) .
Enquanto isso, e sem a menor relação com os personagens acima, Vanessa está no bote perto da Facú, com a galera, tomando várias brejas ( e, daqui a pouco um beise e, talvez, sexo) , o bar está lotado, o pessoal animado. Alguns estão no 3º. ano de Jornalismo ou de Marketing, e já descolaram um estágio. Com isso, puderam comprar uma caranga. Outros pegaram uma moto. Todos os aqui presentes têm celular, e como conversam animadamente a cada vez que o aparelho toca.
Mesmo que não tenham percebido e, política partidária à parte, o país ( pelo menos para eles ) está passando por um período legal. Muitos deles são filhos de empresários da construção civil, ou do ramo imobiliário, incorporadoras e empreiteiras ( setores que estão arrebentando e fazendo dinheiro, muito dinheiro ) . Alguns desses empresários têm participações acionárias nas empresas concorrentes ou estão juntos em consórcios que controlam rodovias, as reformam e exploram o pedágio, um negócio sem riscos e muita grana de retorno.
Alguns dos estudantes fazem planos para o intercâmbio que farão na Austrália, Inglaterra ou Canadá. Para aprender outro idioma. Por enquanto, vão curtindo a vida.
Em outro local e sem relação alguma com os personagens já apresentados, Renatinho, outro garoto de um colégio particular tem uma tarefa semelhante ao do garoto do aquecimento global. Só que o trabalho escolar que este deve fazer tem como tema a Dengue.
E vai procurar algo na banca, junto com a mãe - que vai aproveitar e comprar a Quatro Rodas para o marido e a Cláudia para si.
O garoto pegou duas revistas e um jornal. Bastante informação para o trabalho ficar legal. Tem que ficar legal, pois passou o bimestre todo jogando Winning Eleven e esqueceu de estudar. Mas não só. O prédio onde mora tem, como anexo, um parque público que a incorporadora anunciou como exclusividade para quem comprasse uma unidade do novíssimo empreendimento estilo clássico. E o garoto tem passado bastante tempo no parque privativo da família, esquecendo de estudar. O trabalho sobre a dengue tem que ficar bem legal.
Clarisse Sabáto , que não conhece nenhum dos personagens acima, é proprietária de uma griffe localizada na região da Oscar Freire. Fã de Lú Alckmin, este ano Clarisse mandou confeccionar, para brindar seus clientes, agendas exclusivas produzidas por uma ONG a partir de papel reciclado. Compromisso ambiental e responsabilidade social são muito importantes hoje em dia.
Zezé, mosquito da espécie Aedes Aegyipt, acabou de picar o braço de Renatinho contaminando-o com o vírus da Dengue. Após dois dias de uma febre horrorosa e hemorragias pustulentas Renatinho, que acabou levando B+ no trabalho sobre a Dengue, morrerá.
Vanessa, jovem e com um futuro brilhante pela frente, bebeu demais no bote da Facú, fumou uma ponta, saiu dirigindo assim mesmo, passou no vermelho e, enquanto falava no celular, chocou-se com o carro em que estavam Juninho e sua mamãe. Todos os três morreram.
A mãe de Renatinho, ainda sob o estado de luto pela morte do filho, saiu às compras para amenizar a dor. Em seu roteiro do luxo, entrou na boutique de Clarisse Sábato para provar uns sapatos exclusivos. Clarisse ofereceu-lhe o mimo, a agenda de papel reciclado que a mãe de Renatinho começou a folhear.
"11 de Setembro - pensou - era o dia do aniversário do meu filhinho..."
E começou a chorar, no que foi confortada pela dona da boutique.
As pessoas devem ser solidárias na dor do próximo.
Enquanto isso o pai de Renatinho, também inconsolável, pega a Veja e procura informações sobre viagens. Quer levar a esposa a uma tour pelo Nordeste, para tentar esquecer um pouco da morte do filho.
Só que as notícias não são animadoras: o chamado "apagão aéreo" continua, conforme a capa da revista informa. O pai desabafa, para si mesmo:
"Esse país está um horror !!! Nem avião a gente pode pegar mais !!"

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Vídeo mostra soldados americanos fuzilando civis desarmados !!!!

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops