sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Intelectual examina possível participação da CIA em campanha de desestabilização contra Chávez ( Em inglês, sorry!! )

********************************************************
COUNTERPUNCH EXCLUSIVE!
Counterattack as Fateful Referendum Looms
CIA Venezuela Destabilization Memo Surfaces
By JAMES PETRAS

On November 26, 2007 the Venezuelan government broadcast and circulated a confidential memo from the US embassy to the CIA which is devastatingly revealing of US clandestine operations and which will influence the referendum this Sunday, December 2, 2007.
The memo sent by an embassy official, Michael Middleton Steere, was addressed to the Director of Central Intelligence, Michael Hayden. The memo was entitled 'Advancing to the Last Phase of Operation Pincer' and updates the activity by a CIA unit with the acronym 'HUMINT' (Human Intelligence) which is engaged in clandestine action to destabilize the forth-coming referendum and coordinate the civil military overthrow of the elected Chavez government. The Embassy-CIA's polls concede that 57 per cent of the voters approved of the constitutional amendments proposed by Chavez but also predicted a 60 per cent abstention. The US operatives emphasized their capacity to recruit former Chavez supporters among the social democrats (PODEMOS) and the former Minister of Defense Baduel, claiming to have reduced the 'yes' vote by 6 per cent from its original margin. Nevertheless the Embassy operatives concede that they have reached their ceiling, recognizing they cannot defeat the amendments via the electoral route.
The memo then recommends that Operation Pincer (OP) [Operación Tenaza] be operationalized. OP involves a two-pronged strategy of impeding the referendum, rejecting the outcome at the same time as calling for a 'no' vote. The run up to the referendum includes running phony polls, attacking electoral officials and running propaganda through the private media accusing the government of fraud and calling for a 'no' vote. Contradictions, the report emphasizes, are of no matter.
The CIA-Embassy reports internal division and recriminations among the opponents of the amendments including several defections from their 'umbrella group'. The key and most dangerous threats to democracy raised by the Embassy memo point to their success in mobilizing the private university students (backed by top administrators) to attack key government buildings including the Presidential Palace, Supreme Court and the National Electoral Council. The Embassy is especially full of praise for the ex-Maoist 'Red Flag' group for its violent street fighting activity. Ironically, small Trotskyist sects and their trade unionists join the ex-Maoists in opposing the constitutional amendments. The Embassy, while discarding their 'Marxist rhetoric', perceives their opposition as fitting in with their overall strategy.
The ultimate objective of 'Operation Pincer' is to seize a territorial or institutional base with the 'massive support' of the defeated electoral minority within three or four days (presumably after the elections though this is not clear. JP) backed by an uprising by oppositionist military officers principally in the National Guard. The Embassy operative concede that the military plotters have run into serous problems as key intelligence operatives were detected, stores of arms were decommissioned and several plotters are under tight surveillance.
Apart from the deep involvement of the US, the primary organization of the Venezuelan business elite (FEDECAMARAS), as well as all the major private television, radio and newspaper outlets have been engaged in a campaign of fear and intimidation campaign. Food producers, wholesale and retail distributors have created artificial shortages of basic food items and have provoked large scale capital flight to sow chaos in the hopes of reaping a 'no' vote.President Chavez Counter-Attacks
In a speech to pro-Chavez, pro-amendment nationalist business-people (Entrepreneurs for Venezuela ­ EMPREVEN) Chavez warned the President of FEDECAMARAS that if he continues to threaten the government with a coup, he would nationalize all their business affiliates. With the exception of the Trotskyists and other sects, the vast majority of organized workers, peasants, small farmers, poor neighborhood councils, informal self-employed and public school students have mobilized and demonstrated in favor of the constitutional amendments.The reason for the popular majority is found in a few of the key amendments: One article expedites land expropriation facilitating re-distribution to the landless and small producers. Chavez has already settled over 150,000 landless workers on 2 million acres of land. Another amendment provides universal social security coverage for the entire informal sector (street sellers, domestic workers, self-employed) amounting to 40 per cent of the labor force. Organized and unorganized workers' workweek will be reduced from 40 to 36 hours a week (Monday to Friday noon) with no reduction in pay. Open admission and universal free higher education will open greater educational opportunities for lower class students. Amendments will allow the government to by-pass current bureaucratic blockage of the socialization of strategic industries, thus creating greater employment and lower utility costs. Most important, an amendment will increase the power and budget of neighborhood councils to legislate and invest in their communities.
The electorate supporting the constitutional amendments is voting in favor of their socio-economic and class interests; the issue of extended re-election of the President is not high on their priorities: And that is the issue that the Right has focused on in calling Chavez a 'dictator' and the referendum a 'coup'.
The Opposition
With strong financial backing from the US Embassy ($8 million dollars in propaganda alone according to the Embassy memo) and the business elite and 'free time' by the right-wing media, the Right has organized a majority of the upper middle class students from the private universities, backed by the Catholic Church hierarchy, large swaths of the affluent middle class neighborhoods, entire sectors of the commercial, real estate and financial middle classes and apparently sectors of the military, especially officials in the National Guard. While the Right has control over the major private media, public television and radio back the constitutional reforms. While the Right has its followers among some generals and the National Guard, Chavez has the backing of the paratroops and legions of middle-rank officers and most other generals.
The outcome of the Referendum of December 2 is a major historical event first and foremost for Venezuela but also for the rest of the Americas. A positive vote (Vota 'Sí') will provide the legal framework for the democratization of the political system, the socialization of strategic economic sectors, empower the poor and provide the basis for a self-managed factory system. A negative vote (or a successful US-backed civil-military uprising) would reverse the most promising living experience of popular self-rule, of advanced social welfare and democratically based socialism. A reversal, especially a military dictated outcome, would lead to a blood bath, such as we have not seen since the days of the Indonesian Generals' Coup of 1966, which killed over a million workers and peasants or the Argentine Coup of 1976 in which over 30,000 Argentines were murdered by the US- backed Generals.
A decisive vote for 'Sí' will not end US military and political destabilization campaigns but it will certainly undermine and demoralize their collaborators. On December 2, 2007 the Venezuelans have a rendezvous with history.

James Petras, a former Professor of Sociology at Binghamton University, New York, owns a 50 year membership in the class struggle, is an adviser to the landless and jobless in brazil and argentina and is co-author of Globalization Unmasked (Zed). His new book with Henry Veltmeyer, Social Movements and the State: Brazil, Ecuador, Bolivia and Argentina, will be published in October 2005. He can be reached at: jpetras@binghamton.edu

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Não se calam: 100.000 saem às ruas de Caracas em apoio às reformas constitucionais propostas pelo presidente várias vezes reeleito, Hugo Chávez

Manifestação
A favor da reforma de Chávez, 100 mil saem às ruas
O governo do presidente venezuelano Hugo Chávez repetiu nesta sexta-feira proeza alcançada pela oposição na véspera, de encher a Avenida Bolívar, uma das principais de Caracas, com pelo menos 100 mil pessoas, vindas de todo o país. Os manifestantes se reuniram para apoiar a reforma constitucional proposta por Chávez, e que passará por referendo no fim de semana. "Agora, sim, a Avenida Bolívar está cheia de gente", disse o presidente em discurso na passeata. "Hoje é o dia da Venezuela, o dia da pátria". Ele então entoou o hino nacional e ao fim bradou: "Viva o socialismo bolivariano!".
"No domingo, daremos um novo locaute nos esquálidos, na oligarquia, nos que pretendem que a Venezuela volte a ser uma colônia americana", disse Chávez. "Até há poucos anos, a Venezuela era um país escravizado, dominado pelos Estados Unidos e pela oligarquia crioula. Quem vota pelo 'sim' está votando por Chávez. Quem vota pelo 'não' está votando por George W. Bush. Essa é a verdadeira confrontação que temos." A reforma permite a reeleição ilimitada do presidente, no cargo desde 1999.
Além disso, o novo texto constitucional dá ao presidente o poder de criar por decreto províncias federais e nomear seus governantes. Cria uma nova "Milícia Bolivariana" e concede às Forças Armadas poder de polícia. Institucionaliza os conselhos comunais, de trabalhadores, de estudantes e outros, que criam uma forma de representação paralela a sindicatos e outras entidades, o que levou muitos sindicalistas, líderes estudantis e outros representantes de classe a se oporem a ela.
Fonte: Agência Estado
30.11.2007

Etiquetas: , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Governadores do Nordeste - inclusive do PSDB - fecham apoio à CPMF

30.11.2007
Os governadores do Nordeste decidiram fechar questão em apoio à prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Estamos unidos em torno da aprovação da proposta, respeitando, claro, a autonomia dos senadores", afirmou o governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB), um dos presentes na quinta edição do Fórum dos Governadores da região, em Salvador.
Para o governador do Piauí, Marcelo Déda (PT), o entendimento entre os nove Estados nordestinos sinaliza a importância da contribuição para a região. "Nós superamos essa discussão maniqueísta entre presidente e oposição para mostrar o quanto a CPMF é importante para a região", afirmou. "A contribuição pode não ser popular, mas é necessária. A discussão tem de ser sobre quando podemos abrir mão dela, e não é agora.
O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), acrescentou que "não é razoável retirar mais de R$ 40 bilhões do orçamento neste momento, é um montante similar a todo o orçamento da área de saúde do País". "Já houve a sinalização do governo em reduzir a alíquota, é o que pode ser feito", acredita. "Não dá para brincar com isso. Estamos falando da vida das pessoas, até porque os que são oposição agora podem vir a ser governo mais à frente.
Ao fim do encontro, os governadores apresentaram a Carta de Salvador, aprovada por unanimidade, na qual explicitam o apoio à prorrogação do chamado imposto do cheque. "Vamos trabalhar na busca por um diálogo mais profícuo entre o governo federal e os senadores para garantir a prorrogação", disse o governador baiano Jaques Wagner (PT).
Fonte: Agência Estado

Etiquetas: , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

PSDB e DEMo paranaenses saem em defesa intransigente dos ricos daquele Estado ( 131 pessoas ). Mas Requião insiste em taxar os grã-finórios.


Governo retira da AL ajuste do IPVA e mensagem do imposto sobre herança
30/11/2007
O governador Roberto Requião determinou, nesta sexta-feira (30), a retirada das mensagens que pretendiam ajustar o Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações e as taxas do Detran, que transitavam no Legislativo. Além disso, determinou que seja apresentado um substitutivo à mensagem que previa o reajuste das taxas do IPVA. “Queríamos reduzir o imposto dos carros populares, zerar o das motocicletas de até 125 cilindradas e isentar o Imposto de Transmissão Causa Mortis dos pobres, aumentando o imposto pago pelos mais ricos. Entretanto, os deputados do DEM e do PSDB partiram em defesa dos milionários e, por isso, estamos retirando os projetos”, explicou o governador Roberto Requião.
As mensagens enviadas pelo Governo previam a redução do IPVA para os carros com motorização de mil cilindradas - os chamados carros populares - e das motocicletas mais baratas e utilizadas por trabalhadores de serviço de entrega de mercadorias. Em contrapartida, a mudança iria aumentar o imposto dos veículos de luxo. A mensagem será mantida na Assembléia Legislativa, com uma emenda prevendo a manutenção das atuais alíquotas do imposto. As taxas do Detran sofreriam um reajuste calculado com base na inflação e ainda ficariam entre as mais baixas do País.
Da mesma forma, o chamado imposto sobre herdeiros seria ajustado para isentar as pessoas com menor renda. O líder do Governo na Assembléia Legislativa, Luís Cláudio Romanelli (PMDB), afirmou que a bancada de situação voltará a defender a mudança no ano que vem. “Estávamos fazendo a modernização desse imposto, que seria reduzido em 2/3 (dois terços) e auxiliaria justamente as pessoas que mais necessitam. Mas a oposição comandada pelo PSDB quer manter o privilégio dos mais ricos”, ressaltou.
Ainda nesta semana, o secretário da Fazenda, Heron Arzua, esclareceu que a alteração do ITCMD iria majorar o tributo de somente 131 operações (ou 0,41%) das 31,9 mil realizadas neste ano no Paraná. Ou seja, apenas 131 pessoas com patrimônio acima de R$ 600 mil teriam aumento na taxa de imposto sobre herdeiros. Outras 25,3 mil operações estariam isentas e 6,5 mil teriam redução de alíquota.

Etiquetas: , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Neste Natal eu quero meia dúzia de escravos pro canavial e dois cinzeiros de crânios de Sem-Terra!!!

O trabalho escravo reinventado pelo capitalismo contemporâneo
IHU - Unisinos *
Adital - 30/11/07
Entrevista especial com Leonardo Sakamoto
A cada dia, há novas denúncias de exploração do trabalho escravo em fazendas brasileiras. Mas não se trata apenas de um trabalho incessante do qual é quase impossível livrar-se. Trata-se de uma constante ameaça e um pavor que degradam o ser humano submetido a tais condições. Quanto mais o capitalismo leva às empresas a competitividade frenética, o trabalho escravo é escolhido como a opção mais barata para obter cada vez mais lucro. Tudo isso às custas do pobre trabalhador em busca de melhores condições de vida. Essas, no entanto, só pioram com essa "oportunidade". A IHU On-Line conversou, por telefone, com o coordenador da Agência Repórter, Leonardo Sakamoto, uma das pessoas que acompanham e estudam o trabalho escravo.
Durante a conversa, Sakamoto fala sobre como se caracteriza o trabalho escravo no país hoje, o que chama de escravidão contemporânea, além de refletir sobre o motivo pelo qual essa degradação do trabalho está enraizada na nossa sociedade. Ele analisa também o avanço do capitalismo e a luta no combate a esse problema. "O trabalho escravo contemporâneo não é resquício de uma civilização pré-capitalista que sobreviveu. Ele é um instrumento do próprio capital para facilitar a acumulação e o processo de modernização, garantindo competitividade ao produtor rural", comentou.
Leonardo Sakamoto formou-se em Jornalismo, pela USP, onde também realizou mestrado e doutorado em Ciência Política e é, hoje, pesquisador. Cobriu a guerra pela independência em Timor Leste e a guerra civil angolana. É coordenador da ONG Repórter Brasil e representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae). Também escreveu Trabalho escravo no Brasil do Século XXI (Brasília: Organização Internacional do Trabalho, 2006).
Confira a entrevista.
IHU On-Line - O que é, como se define e se caracteriza o trabalho escravo, hoje, no Brasil?
Leonardo Sakamoto - O trabalho escravo, ou a escravidão contemporânea, é basicamente uma situação que expõe o trabalhador a uma condição totalmente degradante de trabalho, em que não há dignidade alguma. Nela, a alimentação e o alojamento são precários, assim com a situação de saúde, sem proteção física, individual. Ao mesmo tempo que essa situação extremamente degradante tira a dignidade do trabalhador, com a retenção de salários, com maus tratos, ameaças, ela traz uma situação de cerceamento da liberdade. Trata-se de uma liberdade específica. Não é a liberdade básica do direito de ir e voltar, e sim a de se desligar do serviço. Um dos maiores problemas, nesses casos, é a presença de guardas armados para intimidar ou mesmo assassinar quem tenta sair, espancamento de trabalhadores que tentam fugir para servirem de exemplo a outros, ameaças psicológicas ou físicas, por meio, por exemplo, de torturas. E ainda existem formas mais sutis ou menos violentas, digamos assim, para manter o trabalhador. São, na verdade, fraudes para enganá-lo, com promessas que nunca irão se cumprir. O trabalho escravo contemporâneo no Brasil, portanto, traz uma situação de trabalho extremamente degradante e indigna, somada à impossibilidade de se deixar o serviço, que se configura de várias formas.
O isolamento geográfico é um problema. O trabalhador por vezes é levado para um lugar 300 quilômetros distante da cidade mais próxima, além de precisar entregar seus documentos a quem o "contrata". A base da escravidão contemporânea é a servidão em que a pessoa contrai uma dívida de forma fraudulenta com o proprietário da fazenda ou com o empregador, que no Brasil é conhecido como "gato". Este muitas vezes faz essa ponte entre trabalhadores e fazendeiros, sendo responsável por esse processo de contratação de dívida, em que o trabalhador é aliciado em sua cidade natal ou mais próximo da propriedade rural e levado para uma determinada fazenda. Nesta, os gastos são marcados no "caderninho" e são sempre maiores dos que os valores reais. Paga-se quatro ou cinco vezes mais por um chinelo, dez vezes mais o valor real do fumo e todos os gastos são contabilizados. Ao final do período de trabalho, quando o trabalhador pensa que vai receber o salário, o "gato" ou o patrão chega para eles com o caderno e fala que, além de estar devendo, precisa voltar a trabalhar para pagar essa dívida que foi criada fraudulentamente. Com esse endividamento, eles seguram esse trabalhador, que, então, é ameaçado, espancado etc. Ou seja, é feito de tudo para que o indivíduo seja mantido em seu local de trabalho.
IHU On-Line - Por que o trabalho escravo permanece tão arraigado na sociedade brasileira?
Leonardo Sakamoto - O trabalho escravo existe, hoje, praticamente em todos os países do mundo. Ele não é um monopólio brasileiro. Inclusive, existem estimativas que apontam mais de 17 mil trabalhadores em situação de escravidão nos Estados Unidos. Há milhares de trabalhadores em situação de escravidão na França, na Alemanha. Isso sem contar o grande número de escravos no Paquistão. O trabalho escravo contemporâneo é uma característica do modo de produção capitalista. Nesse sentido, houve três grandes escravidões no mundo: a primeira aconteceu na Grécia e na Roma antiga. Depois de ela terminar, deu-se lugar ao feudalismo. O que aconteceu é que, quando os europeus invadiram a América e a África, foi reinventada a escravidão para seus próprios propósitos, para colonização, para o trabalho nas suas colônias. E eles criaram o que aconteceu no Brasil durante cerca de 300 anos. Em 13 de maio de 1888, houve o fim da escravidão legal. Ou seja, o Estado brasileiro parou de reconhecer o direito de uma pessoa possuir outra pessoa como instrumento de trabalho ou como sua propriedade. Contudo, persistiram situações, até hoje, muito semelhantes à condição antiga legalizada de escravidão, em que o trabalhador tinha pouquíssimos direitos.
É claro que existe diferença entre a escravidão colonial e imperial no Brasil. Todo um comércio transatlântico de escravos foi proibido, em 1850, havendo uma mudança social, e a sociedade brasileira deixou de ter trabalho escravista para ter uma base de trabalhador assalariada. O que vem ao caso é que continuam existindo formas degradantes, indignas e desumanas no tratamento de um ser humano. Além disso, este ainda é utilizado meramente como instrumento de trabalho. A escravidão contemporânea funciona hoje como um instrumento do próprio sistema. Muitas pessoas comentam que o trabalho escravo é uma coisa anacrônica e que não tem relação com a modernidade do capitalismo. O que é uma mentira, porque o trabalho escravo é decorrente do sistema capitalista, e isto é uma coisa bastante interessante. Se analisarmos o trabalho escravo no Brasil, veremos que o relatório de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego mostra que os empregadores envolvidos nesse tipo de exploração, na grande maioria das vezes, trabalha com tecnologia de ponta e fornece commodities para o mercado nacional e internacional, ou seja, fornecendo carne bovina, carvão para siderurgia, soja, algodão, milho, etanol. Desse modo, essa escravidão existe sob influência direta da economia de mercado e dela depende. Isso revela que a utilização do mercado escravo contemporâneo não é resquício de antigas práticas econômicas que sobreviveram provisoriamente ao capital, mas um instrumento para o capital facilitar a acumulação, a aquisição de riquezas, durante um processo de expansão ou durante um processo de modernização. Em outras palavras, utilizar trabalho escravo é uma forma de economizar na mão-de-obra, sobretudo em empreendimentos agropecuários, garantindo, assim, a competitividade a produtores rurais que estão em situação ou região de expansão agrícola.
Na prática, o trabalho escravo gera economia. Por menor que essa seja, a economia em dinheiro é fundamental para garantir a esses produtores rurais competitividade e expansão em seus negócios. Eles agem assim porque não querem ou não têm dinheiro para fazer investimento inicial nesses projetos. Então, da mesma forma com que roubam terras, o que é muito comum na Amazônia, também roubam essa força de trabalho. Quanto mais se tem terras aráveis, mais se tem produção agrícola, o que beneficia todo o sistema. Não estou falando que o sistema e o mundo dão a benção ao trabalho escravo, mas que, apesar de este ser uma coisa horrível e detestável, é ainda utilizado por muitas pessoas que, com isso, saem beneficiadas.
IHU On-Line - A "casa-grande" e a "senzala" continuam convivendo sem grandes rupturas, não apenas economicamente, mas também culturalmente. Poder-se-ia afirmar que a sociedade brasileira tolera o trabalho escravo?
Leonardo Sakamoto - É uma pergunta complexa, porque, como diria Caio Prado Junior (1), o escravismo define muito o que é a sociedade brasileira. Então, muitas de nossas relações hoje - nas relações entre padrão e empregado, nas relações entre empresários e trabalhador rural - são ainda muito guiadas por toda uma carga cultural deixada pela escravidão. Desse modo, na verdade, um número significativo de empresários no Brasil ainda considera o trabalhador um objeto de trabalho descartável. O Brasil não conseguiu, em 1888, fazer a inserção dos trabalhadores que foram libertados da escravidão, e nem se interessou em fazê-la. Enquanto nos Estados Unidos e em outros países houve uma espécie de ressarcimento ao trabalhador que era libertado da escravidão, no Brasil, em 1888, o que é "engraçadíssimo", houve um ressarcimento aos produtores rurais que perderam escravos. Então, na verdade, o Estado não estava preocupado, nem nunca se preocupou, com esses trabalhadores. A escravidão, hoje, em muito se deve a uma situação de desigualdade, que gera concentração de riqueza e, conseqüentemente, pobreza, resultante dessa situação de escravagismo no Brasil durante a Colônia e Império. Ela poderia ter sido atenuada na época da abolição, o que não aconteceu. Então, na prática, a abolição de 1888 é ainda a mãe dessa desigualdade. Temos liberdade, o que é ótimo, mas, ao mesmo tempo, as pessoas são escravas de uma situação econômica de penúria. Muitos brasileiros são livres, diferentes dos escravos da Amazônia e da caatinga, mas ainda estão, de certa forma, presos a uma situação de penúria e de preconceito, devido à sua classe social.
A casa-grande e a senzala (2) ainda existem no Brasil em diversos fatores, em esferas políticas, econômicas ou culturais, e, em nosso dia-a-dia, muitas vezes a classe média age como o capataz da elite contra os trabalhadores. Nós temos ainda uma herança muito pesada nesse sentido. E o que acontece? Isso acaba extrapolando a relação. A casa-grande e a senzala ainda existem nos barracos em zonas amazônicas, onde há, também, as grandes fazendas com piscina e antena parabólica. Só que, na verdade, a questão poderia ser vista pela ótica mais global do Brasil, em que você tem uma pequena casa-grande e dezenas de senzalas espalhadas. A relação de trabalho ainda é muito ruim.
IHU On-Line - Como explicar tantos casos de trabalho escravo em setores de ponta do agronegócio exportador, na produção de álcool, de celulose? Por que estes setores são reincidentes na utilização de mão-de-obra escrava?
Leonardo Sakamoto - O trabalho escravo contemporâneo não é resquício de uma civilização pré-capitalista que sobreviveu. Ele é um instrumento do próprio capital para facilitar a acumulação e o processo de modernização, garantindo competitividade ao produtor rural. Ou seja, para acompanhar a constante concorrência de produtividade internacional, há duas opções: ou o produtor compra tecnologia e produz mais, gastando menos força de trabalho e salário, ou ele força menor gasto com trabalho escravo. Esses grandes empreendimentos que utilizam trabalho escravo o fazem para economizar recursos. Quanto menos gastam, mais conseguem competir no mercado internacional, ou, quanto menos gastam, mais conseguem ampliar sua área, derrubando mata para aumentar a fazenda. Essa economia é pouca, mas, num cenário de extrema competitividade internacional, relevante. Ninguém fala: "Vou contratar escravos". O que acontece é um processo constante, em que são retirados os direitos básicos dos trabalhadores, culminando no trabalho escravo. Ninguém contribui para o trabalho escravo porque quer ver o outro sofrer, mas sim para obter lucro.
IHU On-Line - Quem são os maiores aliados hoje na luta contra o trabalho escravo?
Leonardo Sakamoto - A Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo é um importante órgão no combate do trabalho escravo. Os maiores agentes no combate ao trabalho escravo, hoje, no Brasil são o Ministério do Trabalho e Emprego, o Ministério Público do Trabalho e a Polícia Federal, que formam o grupo móvel de fiscalização, responsável pela verificação de denúncias desse problema e libertação de trabalhadores. Além disso, força o pagamento a esses trabalhadores. Podemos lembrar, além disso, da Comissão Pastoral da Terra, ligada à CNBB, que hoje é a mais importante instituição atuante no combate ao trabalho escravo. Temos também uma série de outras organizações locais, regionais, nacionais, que apresentam uma atuação bastante forte, como as secretarias estaduais dos Direitos Humanos, o Instituto de Empresas com Responsabilidade Social, um projeto de prevenção na região Norte do país, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) etc.
IHU On-Line - Qual é a sua avaliação em relação ao desempenho do governo Lula na fiscalização do trabalho escravo?
Leonardo Sakamoto - O combate do trabalho escravo no Brasil começou em 1995 com a criação do grupo móvel de fiscalização, que tem o objetivo de verificar denúncias e libertar trabalhadores. De 1995 a 2002, cerca de 5 500 trabalhadores foram libertados da escravidão. De 2003 até hoje, foram mais uns 21 000, ou seja, houve um salto na libertação. Não é que o número de trabalhadores escravos tenham aumentado, mas houve uma melhora considerável no sistema de combate à escravidão. O governo FHC tem o mérito de ter criado esse sistema, e o governo Lula tem o mérito de ter o alçado a uma qualidade muito superior. Assim como o governo FHC teve grandes problemas para enfrentar esse problema, o governo Lula também tem. No entanto, nós vemos que houve uma priorização dessas atividades, durante os últimos anos, tanto que o Brasil é considerado pela OIT um exemplo no combate ao trabalho escravo. Há muito a se fazer, mas eu tenho visto com muito bons olhos a atuação do governo Lula nessa área.
IHU On-Line - Recentemente, o senhor defendeu a sua tese de doutorado, que fala sobre o trabalho escravo no Brasil. Quais são as suas principais conclusões?
Leonardo Sakamoto - O nome da tese é "A reinvenção do trabalho escravo no Brasil contemporâneo", e seu objetivo é mostrar como o trabalho escravo não é uma coisa anacrônica, mas foi reinventado como um instrumento de acumulação e lucro no Brasil. A idéia é mostrar como esse trabalho se estrutura e funciona, trazer dados, estatística, cadeias produtivas. Ver, por exemplo, como o trabalho escravo escoa suas mercadorias nacionalmente e internacionalmente. Com base nisso, eu mostro como é possível combater o trabalho escravo pelo viés econômico. O trabalho escravo se sustenta num tripé: a impunidade, a pobreza e a ganância. A ganância pode ser combatida de forma bem simples, e a impunidade esbarra muitas vezes na morosidade da justiça e da incapacidade ou falta de interesse do Congresso Nacional em aprovar leis. A pobreza, por sua vez, pode ser apenas lentamente superada, considerando-se a política de desenvolvimento do governo, que é extremamente concentradora e traz distribuição de renda apenas aparente. Se a ganância for combatida, consegue-se resultados bons em curto prazo. O governo tem um instrumento que é a lista suja do trabalho escravo, um cadastro de empresas flagradas com trabalhadores em situação degradante que os bancos privados e públicos utilizam para fazer corte de crédito. Há também o Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Com base em pesquisa de cadeia produtivo que a Repórter Brasil desenvolve, o pacto conseguiu trazer empresas para que ajam com responsabilidade social e cortem do seu convívio comercial as fazendas que utilizam mão-de-obra escrava, ou que cortem os intermediários que compram delas. Quando se causa um problema econômico grave a essas propriedades, isso, na prática, faz com que o produto criado a partir do trabalho escravo seja cassado, sendo tirado desses oportunistas. Quando o trabalho escravo não for mais um bom negócio, eles vão parar de tentar praticar essa exploração.
Notas:
(1) Caio da Silva Prado Júnior foi um historiador, geógrafo, escritor, político e editor brasileiro. As suas obras inauguraram, no país, uma tradição historiográfica identificada com o marxismo, buscando uma explicação diferenciada da sociedade colonial brasileira. Como intelectual, desenvolveu importante atuação política, que se estendeu pelas décadas de 1930 e de 1940, tendo participado das articulações para a Revolução de 1930. Em 1942, publicou o clássico Formação do Brasil Contemporâneo - Colônia, cujo objetivo inicial era traçar o quadro de evolução histórica brasileira. Foi eleito deputado estadual pelo Partido Comunista Brasileiro (1945) e constituinte em 1947, tendo o seu mandato sido cassado quando da decretação da ilegalidade do partido. Dirigiu o vespertino A Platéia e fundou, juntamente com Arthur Neves e Monteiro Lobato, a Editora Brasiliense, na qual lançou, posteriormente, a Revista Brasiliense, editada entre 1956 e 1964.
(2) Ver a obra Casa-grande & senzala, escrita por Gilberto Freyre. Através dele, Freyre destaca a importância da casa-grande na formação sociocultural brasileira bem como expõe a idéia de que a senzala a complementaria. Na opinião de Freyre, a própria estrutura arquitetônica da casa-grande expressaria o modo de organização social e política que se instaurou no Brasil, qual seja o do patriarcalismo. Tal estrutura seria capaz de incorporar os vários elementos que comporiam a propriedade funcionária do Brasil colônia. Do mesmo modo, o patriarca da terra era tido como o dono de tudo que nela se encontrasse como escravos, parentes, filhos, esposa etc. Este domínio se estabelece de maneira a incorporar tais elementos e não de excluí-los. Esse padrão se expressa na casa-grande, que é capaz de abrigar desde escravos até os filhos do patriarca e suas respectivas famílias.
* Instituto Humanitas Unisinos

Etiquetas: , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Para Receita Federal, fim da CPMF ameaça fiscalização


A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) é, na avaliação da Secretaria da Receita Federal, um importante instrumento de combate à sonegação de impostos. Com base no montante do tributo pago durante um período, é possível estimar a renda de uma pessoa ou o faturamento de uma empresa. Segundo o secretário Jorge Rachid, a utilização da CPMF em processos de fiscalização ajudou o Fisco, entre 2001 e agosto de 2007, a lançar crédito tributário de R$ 41 bilhões, valor superior a um ano de arrecadação da contribuição.
Do total de créditos tributários de pessoas físicas lançados no período analisado, 56% foram feitos a partir de informações sobre movimentação financeira dos contribuintes. Isso gerou, segundo Rachid, crédito em favor da União de R$ 15 bilhões. No caso das pessoas jurídicas, o percentual foi de 13% dos créditos lançados, gerando R$ 26 bilhões. Nas operações de fiscalização especial de empresas, feitas em conjunto com a Polícia Federal, o percentual de créditos lançados a partir da contribuição chegou, segundo o secretário, a 28% no ano passado.
"A CPMF nos fornece informação bastante relevante para ajudar na seleção de contribuintes", explicou Rachid, em entrevista ao Valor. O tributo ajuda, por exemplo, a identificar empresas que se declaram inativas, mas têm movimentação financeira. O mesmo vale para pessoas físicas que dizem ser isentas do Imposto de Renda, mas movimentam recursos em bancos.
Como funciona
A movimentação financeira regular de uma empresa, dependendo do segmento e de sua atividade, gira, em média, em torno de quatro a cinco vezes seu faturamento. Quando passa disso, disse Rachid, a empresa é selecionada pela Receita para fiscalização e, aí, apuram-se omissão de receita e outras infrações. No caso das pessoas físicas, a identificação da possível irregularidade é mais simples. Uma pessoa que tenha movimentação financeira muito superior à renda ou ao patrimônio declarado é identificada imediatamente na declaração anual do Imposto de Renda.
Embora a CPMF exista há mais de dez anos, a Receita Federal só passou a poder usá-la como mecanismo de combate à evasão fiscal em 2001, quando o então governo Fernando Henrique Cardoso aprovou lei - a de nº 10.1754 - prevendo essa possibilidade. "Até então, a Receita tinha a informação, mas não podia usá-la. No mesmo corpo, uma mão não podia se comunicar com a outra", comentou Rachid.
O secretário lembrou que a CPMF é um elemento "indiciário", portanto, os dados gerados pela análise da movimentação financeira só podem ser usados como indício e não como prova nos processos administrativos e judiciais movidos contra os contribuintes investigados.
Opções
Rachid reconhece que, para exercício da fiscalização, o valor da alíquota da CPMF pode ser menor ou até residual, mas, segundo ele, há várias justificativas para a manutenção da alíquota em 0,38%. O secretário acha melhor abrir mão de receita em outros tributos porque, na sua acepção, a arrecadação da contribuição é de baixo custo tanto para o contribuinte quanto para o Fisco. "Evidentemente, se aumentarmos a alíquota, haverá desintermediação financeira e não é isso o que queremos", ponderou o secretário.
Sem a existência da CPMF, a Receita Federal encontrará dificuldades para obter informações que poderiam ser utilizadas no cruzamento de dados dos contribuintes, na avaliação de advogados ouvidos pelo Valor. De acordo com o tributarista Júlio de Oliveira, do escritório Machado Associados, em recente julgamento do Inquérito do Mensalão (INQ 2245), o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que as provas "bancárias" adquiridas sem ordem judicial e levadas ao processo são inválidas.
Por essa razão, na avaliação de Oliveira, sem uma lei como a da CPMF, o Fisco seria obrigado a obter autorização judicial para usar qualquer informação dessa natureza. "A Receita não terá mais esse cruzamento poderoso de dados. Vai ter que buscar outros meios, como o recolhimento de Imposto de Renda na fonte, mas, ainda assim, as informações ficarão bem mais restritas", reconheceu Ana Cláudia Utumi, do Tozzini Freire Advogados.
Contribuintes têm contestado o uso de informações da CPMF em fiscalizações, mas estão perdendo a batalha no Judiciário. "A Justiça entende que sendo encoberto o sigilo fiscal e sendo a Receita guardiã desse sigilo, ela pode usar as informações para essas cobranças", explicou Anba Cláudia.
Em alguns setores do governo e do setor financeiro, há interpretações distintas dessa. Segundo essa argumentação, desde a aprovação de uma lei específica contra a lavagem de dinheiro, o uso da CPMF como instrumento fiscalizador não é mais uma unanimidade.
A lei contra a lavagem impôs aos bancos a obrigatoriedade de informar simultaneamente ao Banco Central e ao Conselho de Controle das Atividades Financeiras (Coaf), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda, toda e qualquer informação de movimentação financeira que se mostre incompatível com a renda declarada pelos contribuintes.
De posse desses dados, a Receita Federal pode acompanhar minuciosamente a movimentação da conta-corrente dos cidadãos ou das empresas que lhe pareça suspeita. De fato, dizem fontes ouvidas pelo Valor, a CPMF é um mecanismo mais simples e ágil para a investigação do Fisco. A forma imposta pela lei de combate à lavagem de dinheiro é mais trabalhosa, mas tão eficiente quanto o uso da contribuição.
Fonte: Valor Econômico
Vermelho
30/11/07

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Para Dilma Roussef, oposição à CPMF é oportunista


A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira (30) que os segmentos que são contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) têm uma atitude "oportunista" porque querem acabar com um "imposto" de difícil sonegação. Um dia depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticar o DEM por ser contra a prorrogação da contribuição, a ministra criticou também os parlamentares que ameaçam votar contra a CPMF.
"Todos aqueles que votarem contra a CPMF têm uma atitude que não se compadece com o desenvolvimento do país. Hoje é uma temeridade tentarem tirar a CPMF do governo federal porque vai comprometer inclusive o repasse para os Estados", declarou a ministra, após participar de evento em comemoração ao aniversário de um ano de funcionamento do Parque Eólico de Osório, no Rio Grande do Sul.
A ministra repetiu o discurso do governo de que a não-prorrogação do imposto significará corte de verbas para a área social e disse que isso trará prejuízos também para os municípios e para toda a população.
"Tem uma posição bastante oportunista em alguns segmentos de querer acabar justamente com aquele imposto cuja sonegação é a mais difícil. Queria sinalizar que aquelas pessoas que acham que podem apostar no quanto pior melhor elas não podem ser consideradas como exemplo da população brasileira", afirmou.
Lula: imposto justo
Ainda nesta sexta-feira, O presidente Lula voltou a defender, durante assinatura de contratos da Transpetro com o Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ), a aprovação da prorrogação da CPMF até 2011.
Em um discurso inflamado, Lula afirmou que os que são contra o tributo "são as pessoas que não querem o sucesso do país". "Eles são contra a CPMF porque é um imposto justo, para combater sonegadores", disse.
Lula destacou que, no caso de não aprovação do tributo no Senado, "quem sairá prejudicado é o povo". O presidente também voltou a negar que esteja em seus planos um terceiro mandato em 2010.
"Não sou mais candidato. Mas, toda vez que o país está indo bem aparece alguns para prejudicar. O Brasil está vivendo um momento extraordinário, com crescimento da economia sem aumento da inflação. A casa está arrumada, os trabalhadores voltaram para a fábrica. Os empresários voltaram a acreditar e a investir no país. É preciso acabar com essa inveja, soberba e mesquinhez de poucos. Temos a oportunidade de transformar o Brasil, no século 21, numa grande potência econômica", disse.
O governador do Rio, Sérgio Cabral, e o prefeito de Niterói, Godofredo Pinto, também defenderam a aprovação da CPMF em seus discursos. "Esta é uma questão que está acima do Lula, do Mané, do Joaquim. O governo não pode se dar ao luxo de abrir mão de uma receita de R$ 35 bilhões anuais", disse Cabral.
Vermelho
30/11/07
Da redação,com agências

Etiquetas: , , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Superando a mesquinharia: solução do suposto apagão aéreo é questão de Saúde em âmbito mundial. Viu, classe-média?!!!

Comissão aprova doação do Brasil ao combate de doenças
A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional aprovou na quarta-feira (28) autorização para que o Poder Executivo efetue doação de US$ 20 milhões (cerca de R$ 36 milhões) à Aliança Global para Vacinas e Imunização. O objetivo é contribuir com o Mecanismo de Financiamento Internacional para Imunização (IFFIm, na sigla em inglês), destinado a ações de vacinação e imunização em países de baixa renda. A doação será dividida em parcelas iguais e subseqüentes ao longo de 20 anos.
A autorização consta do Projeto de Lei 6751/06, do Poder Executivo. A comissão aprovou o projeto na forma de substitutivo do relator, deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB), que restringiu as doações previstas pelo governo. O projeto original autorizava, por exemplo, a doação de cerca de US$ 9,3 milhões (R$ 16,7 milhões) ao Mecanismo para Choques Exógenos do Fundo Monetário Internacional (FMI).
Taxa sobre passagem internacional
O substitutivo de Gadelha permite que o Poder Executivo faça doação anual, por tempo indeterminado, à Central Internacional para Compra de Medicamentos (Unitaid). Essa doação está prevista no projeto original. O valor doado será na proporção de US$ 2,00 (R$ 3,60 ao câmbio de hoje) por passageiro que embarque em aeronave, em território brasileiro, com destino ao exterior. Estão excluídos do cálculo os passageiros em trânsito no País.
O objetivo seria estabelecer uma taxa de US$ 2,00 para cada passagem internacional a partir do Brasil, mas isso não ficou explícito no texto aprovado. O relator informou que essa alteração deverá ser feita pela Comissão de Finanças e Tributação, a próxima a analisar a proposta.Benefícios internacionaisMarcondes Gadelha afirmou que essas doações vão beneficiar a comunidade internacional de um modo geral. Ele levou em consideração a posição e a importância do Brasil no cenário internacional e os interesses da política externa brasileira.
O IFFIm pretende estabelecer compromissos de ajuda futura para arrecadar fundos nos mercados internacionais de capitais. Esse mecanismo pode emitir bônus no mercado internacional, garantidos por compromissos legais assumidos pelos países doadores, na forma de aportes financeiros a fundo perdido.
Os fundos arrecadados serão usados de imediato em projetos de saúde e programas de imunização das populações carentes nos países em desenvolvimento mais vulneráveis.
Gadelha disse que o Brasil deve estar atento e preparado para, no futuro, autorizar a ampliação dessas doações, conforme as necessidades dos programas de vacinação e imunização em esfera mundial. "Isso em nosso próprio benefício, já que as doenças desconhecem fronteiras", acrescenta.
Passagens aéreas
O relator lembrou que a taxa de US$ 2,00 se refere à contribuição solidária sobre passagens aéreas internacionais, uma iniciativa do Brasil e da França que foi discutida em reuniões sobre mecanismos inovadores de financiamento ao desenvolvimento. A proposta contou com o apoio do presidente brasileiro durante a cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) realizada em 2005. A contribuição já conta com o apoio de países como o Chile, a Noruega e o Reino Unido, além do amparo da Organização Mundial de Saúde."A Unitaid, destinatária da doação, deverá alcançar nos próximos anos importância crucial para minimizar a tragédia que doenças como a Aids, a malária e a tuberculose representam em países pobres e em desenvolvimento", afirma o parlamentar.
Tramitação
O projeto ainda será analisado, em caráter conclusivo, pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
30/11/07

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Deputado do Partido Verde ( de Gabeira e da bancada aliada dos tucanos ) será investigado por suspeita ligação extra-muros com presidiários

Câmara investigará deputado suspeito de ligação com presos
O corregedor-geral da Câmara, deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE), encaminhará um ofício ao presidente Arlindo Chinaglia pedindo autorização para a investigação da denúncia de que o deputado Dr. Talmir (PV-SP) teria ligações com presidiários de Presidente Prudente (565 km a oeste de São Paulo). Inocêncio, que considerou a denúncia "gravíssima", disse que a suspeita deve ser investigada sem pré-julgamento. "Daremos o mais amplo direito de defesa, mas é necessário fazer uma investigação profunda o mais rápido possível."
Denúncia
Reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, mostrou ontem a gravação de uma voz feminina que teria telefonado do gabinete do deputado Dr. Talmir em Brasília para um presidiário em Presidente Prudente. No diálogo, eles combinaram detalhes sobre uma manifestação que familiares de detentos fariam em Brasília. A manifestação ocorreu na tarde de ontem em frente ao Congresso Nacional. Dr. Talmir participou do evento e defendeu melhores condições para os detentos.
Proibição para celular
O corregedor considera grave o fato de ocorrerem ligações do gabinete do deputado, já que é proibido o uso de celulares na cadeia. "Justo quem faz a lei e fiscaliza os outros Poderes não pode dar o pior exemplo", assinalou. Ele também criticou o fato de o parlamentar ter viajado para o exterior depois que soube da denúncia. "Ele deveria cancelar a viagem para se defender e explicar o que houve." Dr. Talmir está em missão oficial em Bruxelas, na Bélgica, onde representa a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.
Procedimento
Se for autorizada, a investigação preliminar será feita por uma comissão com até cinco membros, que vão ouvir Dr. Talmir e depois decidir se enviam a denúncia para o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.
Defesa
Em nota à imprensa, Dr. Talmir explica que, além de integrante da Comissão de Direitos Humanos, é membro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema Carcerário. O deputado diz que colocou seu gabinete à disposição da Associação Filantrópica Rolando Carbognin, que realizou manifestação pública ontem, em Brasília, com o intuito de pedir o cumprimento da Lei de Execução Penal (7.210/84), o direito à ressocialização e a liberdade de imprensa no sistema carcerário. O deputado informou que retorna ao Brasil na próxima segunda-feira (3/12).

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Votação do PL da sangria na Nossa Caixa fica para terça

Governador Serra quer arrancar mais R$ 1,5 bilhão do banco
São Paulo –
Ficou para terça-feira a votação do Projeto de Lei 903/2007 enviado à Assembléia Legislativa em regime de urgência pelo governador José Serra para a sangria de mais R$ 1,5 bilhões da Nossa Caixa.
> Serra quer sugar mais uma vez a Nossa Caixa
De acordo com a norma, 70% dos depósitos judiciais e administrativos existentes nos cofres da Nossa Caixa poderão ser transferidos para a conta única do Tesouro Estadual. O montante chega a R$ 1,5 bilhões e poderia ser capitalizado a fim de gerar pelo menos mais R$ 40 milhões ao ano. "Além disso, a falta deste dinheiro deixa o banco ainda mais fragilizado do que já está, após o desfalque de mais de R$ 2 bilhões pela compra da folha de pagamento dos servidores", diz a diretora do Sindicato e funcionária da Nossa Caixa Raquel Kacelnikas.
O projeto do governador foi enviado à Alesp no dia 31 de agosto e desde então os trabalhadores e a bancada do PT pede uma audiência pública para que o assunto pudsesse ser discutido abertamente entre todos os setores da sociedade, mas não foi ouvida. "Os tucanos e a sua base de apoio querem fugir da dicussão aberta. Não deram espaço para ninguém de fora opinar", revolta-se Raquel.Em plenário, a sangria de Serra deve passar, pois o governador tem a maioria na Casa. "O Serra não quer saber do futuro do Estado, está passando por cima de tudo e de todos, no maior estilo ditatorial, para tirar proveito próprio e rápido de sua gestão", completa a diretora.
R$ 2 bilhões - Também em 2007, Serra sacou R$ 2 bilhões da Nossa Caixa para repassar a folha de pagamento dos servidores estaduais. A folha estava anteriormente com o Banespa e, quando este foi vendido para o Santander, em 2000. Um acordo garantia a permanência da folha com os espanhóis por sete anos e a migração automática da mesma para a Nossa Caixa ao final deste período.
Leia mais
> Dois bilhões de Serra prejudicam resultados da Nossa Caixa
André Rossi
30/11/2007

Etiquetas: , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Deuses da Bola Exultam: JUVENTUS DA MOÓCA levanta o caneco em partida dramáááática!!!!!

Não meus amigos. Eu não esqueci. Acontece que estava esperando o jornal aqui do bairro, com uma cobertura completa do duelo, a verdadeira "Batalha dos Aflitos"!!!
Eu assisti o jogo, transmitido pela Redevida ( o canal Católico ), mas só a partir da metade do primeiro tempo.
( Craque do Juventus parte prá cima )
O Juventus partiu para cima. A derrota por 1 a zero já garantia o título, já que o Esquadrão Grená havia faturado o primeiro jogo, no alçapão do adversário, além de ter feito a melhor campanha durante o torneio. Quando o juiz marcou pênalti pro Moleque, a massa presente ao Javari Coliseum foi à loucura. Só que ainda não era hora de comemorar. O jogador do Juventus perdeu a chance de ampliar. E depois, não sei se o estrategista Márcio Bittencourt fez alguma substituição errada ou deu alguma instrução equivocada, o fato é que o Linense passou a dominar, e chegou ao empate. E depois virou para dois a um.
Um novo "Maracanazo"?
( Cidadania e Fé: a combinação que levou o Moleque Travesso ao título )
( Pipoca )
( Fla-Flu? Não. Juventus e Linense, domingo às 10 da manhã. Fiel mesmo, é quem torce pro Juventus, Portuguesa de Desportos, América, Bangu, Jabaquara... )
( Em 1970, a Seleção canarinho faturou a Copa do México e Tostão perdeu todo o fardamento, subtraído pelos torcedores mexicanos alucinados. Quase que a fanática torcida juventina repete a festa, e leva a gloriosa camisa Grená de seus heróis como souvenir. )
( Quem precisa do "Mundial da FIFA"? )

TOMBO
O time da Moóca jogava um futebol preguiçoso, naquela do "já ganhou". E o Linense matava em campo. Às vezes o Moleque conseguia um contragolpe. Em várias vezes teve a chance de empatar e virar mas por razões ainda desconhecidas, o time que possuía os dois artilheiros do Campeonato não conseguia concluir. Ironia...
CASTIGO
3 a 1, e os poucos torcedores do time de Lins não deviam estar acreditando naquilo. Seja por fraqueza do Juventus, ou pela própria qualidade do time dirigido por Vílson Tadei, ( que merecia mesmo o placar alcançado ), fato é que o gol conseguido no último minuto dava o título de forma incrível e inesperada ao visitante.
ÊXTASE
Um segundo para o final. A torcida linense comemorava com razões de sobra o Campeonato. Mas, em outra inacreditável reviravolta, o Juventus faz o seu segundo gol: uma falta cobrada, a bola é levantada na área ( aquela coisa desesperada ) , é rebatida, e o atleta do Juventus bate de fora da área. A bola resvala em alguém e quase também que um jogador juventino, em impedimento, toca na bola, que foi pras redes. Mas ele só acompanhou e deu cobertura. Sai o gol e o juiz apita o final do jogo. Um tremendo castigo para o time que jogou melhor. Os comentaristas apontavam uma curiosidade. No primeiro duelo, o Juventus saiu perdendo, virou o jogo e atuou melhor que os donos da casa. E a situação se repetiu na Javari, com o time visitante levando o primeiro gol, passando a jogar melhor que o anfitrião e terminando a partida com a vitória. Pena que não foi suficiente para a Linense. E o Juventus tentará ganhar o Brasil.
( Essa foi a minha visão do jogo. Agora leiam a matéria do jornal Folha da Vila Prudente. Só acho que o repórter se enganou: o gol no último minuto foi da Linense. O Juventus fez no último segundo. )
COPA FEDERAÇÃO PAULISTA: COM GOL SALVADOR NO ÚLTIMO MINUTO JUVENTUS É CAMPEÃO
Com o estádio Conde Rodolfo Crespi, com capacidade para pouco mais de três mil torcedores, lotado na manhã de domingo, dia 25, o Juventus sofreu, mas se consagrou o grande campeão da Copa Federação Paulista, mesmo perdendo para o Linense por 3 a 2.
Os torcedores tiveram uma manhã emocionante que começou acirrada com as duas equipes fazendo pressão. Logo aos 15 minutos iniciais, o juventino Elias abriu o placar com um belo chute de fora da área. Pouco depois, o garoto Johnny teve a chance de garantir o título, mas desperdiçou a cobrança de pênalti. Apesar da boa movimentação, o primeiro tempo terminou sem alterações. Na segunda etapa, a equipe da casa, que podia perder por um gol de diferença, recuou dando chances ao adversário, que conseguiu o empate logo aos 6 minutos. O jogo permaneceu morno, mas os momentos finais foram de arrepiar. Aos 38 minutos o camisa 17, Shizo, que havia entrado há pouco, conseguiu a virada para o Linense. Empolgados, os jogadores da equipe de Lins foram para frente e aos 47 da etapa complementar, o atacante Fausto fez o gol que daria o título para a equipe do interior.
Um minuto depois, quando a pequena torcida visitante já cantava vitória, o lateral João fez uma ‘travessura’ digna do Moleque Travesso: a bola foi lançada na área e ele pegou o rebote fazendo o gol salvador, que garantiu a taça e o delírio da torcida mooquense. "Foi uma verdadeira batalha, o jogo parecia uma guerra, eles estão de parabéns", disse o entusiasmado torcedor Paolo Petti. "O torcedor veio e vibrou até o final", completa o técnico Márcio Bittencourt.
A artilharia e a vice do campeonato também ficou para o Juventus. O artilheiro com 13 gols foi Marcinho, que mesmo sem marcar na última partida, não foi alcançado, já que seu companheiro de clube, Johnny, que estava com dois a menos, também não balançou a rede.

Mas, ambos estavam mesmo eufóricos com o título. "Lutamos muito e conseguimos alcançar nosso objetivo", comentou o goleador Marcinho. "Dedico essa conquista aos meus familiares, a Deus e ao grupo", disse o centroavante Johnny. Além deste destaque, o grupo também pode comemorar por ter sido a defesa menos vazada da competição, com apenas 23 gols sofridos em 24 jogos disputados.
Com a vitória, o Juventus conseguiu vaga na Copa do Brasil. A preocupação agora é tentar manter jogadores para o ano que vem. "Espero que o clube consiga segurar os atletas e ainda contrate mais dois ou três reforços", comenta Márcio Bittencourt. "É difícil mantê-los, o interesse de outras equipes deve ser grande", completa o presidente, Armando Raucci.
Por ter vencido a Copa Federação, o Moleque Travesso também foi convidado para participar da Copa Sul-Brasileira que acontece entre os próximos dias 5 a 8. Todos os jogos serão disputados em Curitiba, com os vencedores regionais do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Depois, o Juventus já tem data certa para entrar em campo novamente: dia 16 de janeiro, na Javari, contra o Noroeste de Bauru, partida de estréia no Campeonato Paulista. Já o sorteio que indicará quem será o seu adversário e a data da primeira partida na Copa do Brasil só acontece no final de janeiro.
Folha de Vila Prudente
30/11/07

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Porto de Paranaguá: Risco Requião dá outra surra na famigerada revista vEJA!!!


Reportagem da revista Veja erra ao apontar filas no Porto de Paranaguá
27/11/2007
O governador Roberto Requião criticou a reportagem da revista Veja intitulada “A lógica do atraso”, publicada na edição do dia 21 de novembro e que trouxe uma foto do Porto de Paranaguá ilustrando o material e fazendo referência a supostas filas e pouca produtividade do terminal. Durante a reunião da Escola de Governo desta terça-feira (27), o governador explicou o funcionamento do Pátio de Triagem e reiterou que não há filas no Porto. “O Porto de Paranaguá já recebeu em 2007, até outubro, 266.891 caminhões. Este pátio tem capacidade para mil caminhões. Eles chegam, entram no pátio de triagem e ali os motoristas encontram lanchonetes, banheiros e imediatamente levam a carga para classificação. Em seguida a mercadoria é embarcada e eles vão embora. Não significa nenhum congestionamento”, explicou. “A imagem mostra uma fila que não existe”, destacou ainda o governador. “O Porto de Paranaguá ganhou, no ano passado, o prêmio nacional de logística. É o porto mais ágil do país, a maior tonelagem por metro linear de cais, o porto mais eficiente do Brasil. Mas a tentativa de desmoralizar o porto público continua”, salientou Requião. Requião lembrou ainda que o Porto de Paranaguá tem sido alvo dos opositores ao Governo do Estado desde a campanha eleitoral no ano passado. “Vocês lembram da campanha eleitoral quando um artista global falava em estrangulamentos no Brasil e em plena campanha dizia que Paranaguá era o porto do engarrafamento, do estrangulamento da economia brasileira? Isso logo depois de a gente ter ganhado o prêmio nacional de logística. Com isso, foram derrubando pontos nossos na campanha eleitoral. E justo o Porto de Paranaguá, que é uma das pérolas do Governo e que a gente apresentava como um símbolo da eficiência do Governo do Estado. É a canalhice reiterada”, afirmou.
LOGÍSTICA - A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) encaminhou um pedido de correção à revista Veja mas não foi atendida. No documento, a Appa esclarecia que há quase quatro anos não há registro de filas de caminhões na BR-277 com destino ao Porto de Paranaguá graças a uma logística implantada no terminal paranaense a partir de 2003, que rendeu ao Porto o prêmio da Associação Brasileira de Movimentação e Logística (ABML).
A nova logística duplicou os guichês de entrada ao Pátio de Triagem (de dois para quatro), agilizando o recebimento dos caminhões carregados com grãos. Ao contrário do que ocorria no passado, passou-se a exigir dos caminhões já na entrada do Pátio a nominação da carga, ou seja, eles só podem sair de suas origens com o armazém de destino da carga definido e com o navio já programado.SILÃO - O silo público, também conhecido como Silão, também passou a exigir dos operadores a nominação da carga. Dessa forma, apenas quem já tem o navio nominado pode depositar soja no silo público. Antes, não havia essa exigência e o Silão, que cobra tarifas menores do que as dos armazéns privados, era espaço para especulação e mercado spot.
Com essas medidas, o Porto de Paranaguá, o maior graneleiro da América Latina, passou a receber mais grãos, sem registro de filas, e tornou-se o principal exportador do milho brasileiro (mais de 54% da produção nacional é exportada por Paranaguá). A exportação de grãos até o dia 25/11 já supera o ano passado inteiro, com 14.125.638 toneladas.
BOX - Caminhões no Pátio de Triagem em 2007
Janeiro – 7.387
Fevereiro – 21.920
Março – 42.496
Abril – 30.926
Maio – 23.462
Junho – 28.930
Julho – 23.343
Agosto – 33.681
Setembro – 27.768
Outubro – 26.978
TOTAL: 266.891 caminhões

Etiquetas: , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Paraná descola um jeito melhor para abrir mão da CPMF: taxando milionários. Em São Paulo isso jamais ocorrerá, pois aqui eles mandam.

( De troco, ainda descobrem uma nova categoria de "apedeutas". Sensacional. )
Imposto sobre herdeiros vai atingir 131 “milionários”. Os trabalhadores estão fora
27/11/2007
Apenas 131 pessoas com patrimônio acima de R$ 600 mil reais terão um aumento na taxa de imposto sobre herdeiros ( imposto de transmissão “Causa Mortis" ), afirmou o secretário da Fazenda, Heron Arzua, nesta terça-feira (27) na Escola de Governo. “O grito de setores da imprensa foi um grito em causa própria”, disse o governador Roberto Requião.
O governador informou que a arrecadação do imposto, na verdade, foi reduzida a um terço das pessoas. “Os trabalhadores, como as empregadas domésticas, que levam de 30, 40 anos para comprar uma casa na periferia estão liberados da taxa”, observou Requião. “São 131 privilegiados, príncipes da república, se contrapondo ao conjunto da população do Paraná e mostrando a sua absoluta falta de escrúpulos”.
O secretário da Fazenda, Heron Arzua, destacou que a nova proposta do ITCMD (Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos) vai majorar o tributo de somente 131 operações (ou 0,41%) das 31,9 mil realizadas neste ano no Paraná. Outras 25,3 mil operações estarão isentas e 6,5 mil terão redução de alíquota. “Daí surgiram os apedeutas jurídicos e os apedeutas da imprensa a dizer que a isso era inconstitucional”, disse Arzua na reunião da Escola de Governo.A base do projeto, acrescentou o secretário, se sustenta nos princípios fundamentais da constituição brasileira: o da isonomia e da igualdade. “No direito tributário quer dizer o seguinte: os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte. Por isso que os impostos são todos diferenciados”. “Esse pessoal (os apedeutas) nunca leu Geraldo Ataliba nem o Celso Antonio Bandeira de Mello, nem o ministro Eros Grau”, completou Arzua.
O projeto de lei, segundo Arzua, levou pelo menos dois anos de elaboração entre a Secretaria da Fazenda e a Procuradoria da Fazenda. “Todos os aspectos jurídicos foram analisados com o propósito de adequar esse projeto ao novo Código Civil e adotar um sistema de imposto progressivo, dado o êxito que tínhamos obtido com a microempresa”.
A alíquota máxima do O ITCMD é determinada, através de resolução, pelo Senado Federal. O imposto incide sobre a propriedade, posse ou domínio de quaisquer bens ou direitos, nos direitos reais sobre quaisquer bens, exceto os de garantia, e na cessão, desistência ou renúncia translativa, por ato gratuito, dos direitos relativos a estas transmissões. “O Senado Federal e fixou o limite em 8% e que um apedeuta tributário disse que era inconstitucional, que tinha que ser por lei complementar. Vocês imaginem: se não tem lei complementar um estado não pode fazer como os demais”, disse Arzua.
Se o Governo do Estado aplicasse o projeto de lei nas operações realizadas neste ano teria uma arrecadação de R$ 26 milhões em 2008 contra R$ 61 milhões deste ano. “Quase um terço”, disse Arzua. “Operações realizadas em 2007 chegam a 31,9 mil. As isenções atingem 25,3 mil – 79,3%, reduções outras 6,5 mil operações, alíquota efetiva média de 1,7%. Só haveria majoração em 131 operações no Paraná neste ano. Que aumento de imposto, meu Deus do Céu”, completou.
O secretário ainda apontou a média tributada do imposto na Inglaterra, de 40%, e na França, 30%. “O Senado brasileiro fixa em 8% e nenhum estado ultrapassou isso. Estão nos acusando de aumentar imposto e de fazer esforço como se fossemos uns idiotas tributários num imposto que dá menos”.
Heron Arzua adiantou que os apedeutas não questionaram o governo anterior quando enviou a Assembléia Legislativa proposta de reajuste de alíquotas do ICMS no dia 13 de dezembro de 2001. “Mandaram um projeto de lei em que a alíquota do ICMS de 17% para mercadoria geral foi para 18%, para gasolina e álcool de 25% foi para 26%, a alíquota para energia elétrica, comunicações, bebidas alcoólicas e fumo foi de 25% para 27%. Eles aprovaram esse projeto na calada da noite do dia 18 de dezembro de 2001”.

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

PSDB só tem Gênio da Raça. Análises conjunturais brilhantes.

Orlando critica terceiro mandato para presidente
O deputado Orlando Morando, criticou na Tribuna da Assembléia Legislativa a criação do terceiro mandato para o Presidente Lula. Morando repudiou a capa de uma revista que trouxe o presidente em um trono de rei. “O Lula teve uma vitória mediocre no segundo turno, ( grifo do blog ) ele não foi aclamado pelo povo brasileiro, e ainda quer mais um mandato. Não me venhar falar que ele não quer continuar no poder, um mandato é pouco, dois é bom e três é demais. Ele se aproveitou do bom momento que está a economia mundial para o Brasil crescer, agora está faltando energia elétrica, falta o gás e quem tá pagando a conta é o povo”, enfatizou Orlando Morando.
Burro sou eu:
"(...) Lula ganha um novo mandato embalado por uma avaliação positiva recorde de seu governo: 53% de ótimo ou bom, em outubro, segundo o Datafolha (...)".
O Globo Online/ Reuters
Artur Virgílio Neto ( PSDB ) : 5,51%
Esse Orlando Morando deve ter estudado nas escolas que têm o "Selo do Apagão Educacional Continuado Tucano"...

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Jô Soares e o racismo: "Desculpa esfarrapada", em Blog do Rovai

28/11/2007
Ainda não tinha tratado disso aqui, mas estou fora do Brasil desde domingo (18/11), por isso este blog está um pouco mais lento do que o normal. Mesmo assim, à distância, vamos dando nossos furinhos. Antecipei ontem à noite que se discutia na produção do Jô uma resposta do apresentador para o vídeo que divulgamos neste blog com a tal entrevista do taxista sobre os costumes sexuais dos angolanos, em especial das angolanas. Na verdade, desde que a notícia começou a ganhar repercussão, com a publicação que fizemos, já havia na Globo quem defendesse um comentário do apresentador sobre o caso. À época, um amigo da emissora me enviou e-mail dizendo (em tom de brincadeira, claro) que meu blog “tinha mais audiência que o programa do gordo”. Segundo ele, ninguém comentara nada sobre aquela entrevista até eu divulgá-la aqui. E que depois do meu post correr a internet, o assunto passou a dividir opiniões nos corredores. Muitos jornalistas de lá, segundo ele, concordavam comigo e também achavam a entrevista um absurdo. Bem, mas confirmando a informação aqui publicada ontem, Jô deu uma entrevista sobre o caso. Escolheu a Agência Lusa de Portugal para falar, primeiro porque tem ela boa penetração nos países africanos de língua portuguesa e segundo porque assim a resposta estaria dada sem parecer que ele estava assim tão preocupado com o caso, no entender de alguns pareceria se, por exemplo, falasse para um jornal brasileiro como Folha ou O Globo. Ou mesmo para um portal de internet. Duvido que o pessoal do Uol não tenha procurado. Na entrevista disse que “não houve manifestação de preconceito na entrevista que diz respeito aos hábitos locais de uma tribo. Mas, se ao ser mal interpretado, eu ofendi determinados grupos, peço desculpas. Não houve intenção de menosprezar nenhuma mulher do mundo”, disse ele. E também afirmou que: “Não entendo como acontece uma tempestade em copo d'água. Estão usando um episódio não importante para dizer que é uma forma de racismo. Asseguro que não houve manifestação de preconceito”, disse Jô. Leiam o post que escrevi ontem à noite. Disse que ele iria dizer exatamente isso. Ele cumpriu a regra o que havia sido definido como estratégia de defesa nos bastidores da emissora. Não acho que Jô seja racista. Nem tampouco seu programa tem sido racista nesses tantos anos que o apresenta. Já escrevi isso aqui quando publiquei o primeiro post sobre o caso. Mas acho muito pouco essa resposta. É bastante tímida para a gravidade do caso. O vídeo é um horror. E quem o condena não está fazendo “tempestade em copo d´água”.

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Tentáculos: Monopólio de distribuição de publicações e ( pior ) da informação, pretendido pela Abril, é tema de discussão na Câmara!!!

( Antes de tudo: Russomano foi pro PT??? )
Audiência na Câmara analisa fusão entre Dinap e Fernando Chinaglia
Da Redação
Requerida pelo deputado Celso Russomanno (PT-SP), uma audiência pública hoje, às 14h, na Câmara debaterá a compra da Fernando Chinaglia Distribuidora pelo Grupo Abril, que pode levar ao monopólio no setor de distribuição de revistas. Segundo o deputado, a Dinap, distribuidora já pertencente à Abril, detém 70% do mercado, e a Chinaglia, os outros 30%.
"Esse monopólio é preocupante. Trata-se de uma grande empresa editora exercer o monopólio de distribuição de publicações em todo o território brasileiro, inclusive todas as publicações de seus concorrentes." Para o parlamentar, a fusão pode acarretar prejuízos para o mercado, consumidores e até mesmo para a liberdade de imprensa.
Foram convidados para a audiência o presidente do Grupo Abril, Roberto Civita; o editor-executivo da revista Istoé, Carlos José Marques; a publisher da CartaCapital, Manuela Carta; o editor da revista Fórum, Renato Rovai; o diretor da editora Escala, Hercílio de Lourenzi; o representante da editora Globo Juan Ocerin; o representante da editora Duetto Alfredo Nastari; a secretária de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça, Mariana Tavares; e a presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Elizabeth Farina.
A compra da Chinaglia pela Abril ainda depende de autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
28/11/07

Etiquetas: , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Soja convencional dá mais lucro ao produtor que transgênica. Quem gosta de prejuízo, é leitor da vEJA

Rejeição aos transgênicos valoriza soja convencional
28/11/2007
A rejeição dos importadores, seguindo posição dos consumidores contrária aos transgênicos, está se refletindo na comercialização de soja no país. No Oeste paranaense, os produtores de soja não-transgênica estão recebendo R$ 2,20 a mais por saca do grão e o mesmo está ocorrendo em Mato Grosso e Goiás, outras duas grandes regiões produtoras de soja. Daniel Sebben, da consultoria AgRural, informa que os prêmios para soja convencional em Mato Grosso estão sendo fortalecidos, principalmente nas regiões Parecis e Médio Norte do Estado. Juntas, essas localidades somam área plantada de soja 3,7 milhões de hectares, o equivalente a 67% da área do estado. Neste ano, por exemplo, em abril (época de safra), a saca de soja convencional no Médio Norte valia R$ 22,57, o que representava prêmio de R$ 1,50 por saca, em relação ao grão transgênico. Em Sapezal (região do Parecis) tal prêmio chegava a R$ 1,70.“No caso do Parecis, o prêmio se deve ao destino do grão, que geralmente é o mercado europeu, que tem restrições quanto ao consumo de transgênicos. No Médio Norte, desde a safra passada, há esmagadoras que começaram a segregar o produto convencional, criando um nicho que não havia”, afirma.
No Paraná, cresce a tendência pela valorização da soja não-transgênica. O agrônomo Valdir Izidoro Silveira, presidente da Empresa Paranaense de Classificação de Produtos (Claspar), revelou que produtores rurais do Oeste do Paraná estão recebendo um acréscimo de R$ 2,20 por saca de soja convencional. “Isso demonstra o acerto da política do governador Roberto Requião em defesa da produção de grãos não-transgênicos. É também significativo o número de agricultores que está deixando o plantio de soja transgênica por comprovar melhores resultados financeiros com a produção convencional.”
DEMANDA – As empresas de consultoria técnica no setor de grãos confirmam que houve demanda baixa por sementes de soja transgênica em Mato Grosso, aumentando a procura pela semente de grão convencional. E, a escassez fez com que os preços subissem 16% a partir de agosto, quando a convencional começou a faltar, segundo Elton Hamer, presidente da Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat). Ele detalha que a saca de semente (40 quilos) que estava custando em abril entre R$ 42 e R$ 43, saltou para R$ 48 e R$ 50 em agosto. Já a transgênica se manteve no mesmo patamar, de R$ 35, preço 30% menor. “Quando o transgênico começou a ser implantado em Mato Grosso, há dois ou três anos, a semente convencional era um pouco mais barata”.
A situação faz com que em Mato Grosso e Goiás ocorra expressivas sobras de sementes transgênicas. “Se criou grande expectativa sobre crescimento de área transgênica de soja, que não se concretizou”, avalia Hamer. A estimativa era que 45% da área de 5,6 milhões de hectares de soja fossem cultivados com grão geneticamente modificado em Mato Grosso, percentual que deve fechar o plantio entre 35% e 38%, praticamente o mesmo da safra passada (35%).
Já em Goiás, segundo o presidente da Associação Goiana de Sementes (Agrosem), Aldino Rosso, a área de soja transgênica se repetiu nesta safra, na comparação com o período anterior. “As sementes geneticamente modificadas estão em 45% da área de soja de Goiás, quando o setor produtor de sementes esperava que houvesse avanço para 55% do total”, diz Rosso.MERCADO EXTERNO - Os importadores japoneses estão pagando ágio de US$ 1,50 por bushel (medida utilizada pela Bolsa de Chicago, que equivale a 27,21 quilos) para a soja não-transgênica, com entrega em 2008. “Isso representa 25% mais que neste ano”, afirmou Nobuyuki Chino, presidente da trading Unipac Grain, com sede em Tóquio. O Japão importou aproximadamente 500 mil toneladas de soja não-transgênica para uso alimentar no ano passado.
O Japão, maior mercado importador de soja, tem empresas, como a Shinozakiya, que utilizam o grão convencional para produzir alimentos como o tofu. A soja transgênica não é utilizada para a alimentação no Japão, devido a preocupações com a segurança alimentar. Outros países asiáticos, como Taiwan e Coréia do Sul, também importam soja não-transgênica. Na Europa, aumenta a rejeição aos organismos geneticamente modificados. A França e a Áustria proibiram a produção comercial de milho transgênico, enquanto que, na Itália, foi realizada consulta pública com mais de três milhões de italianos declarando-se contra os produtos transgênicos. Em Portugal, dezenas de regiões declaram-se zonas livres de transgênicos, posição assumida por demanda de agricultores e de movimentos sociais.

Etiquetas: , , , , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops

Denunciados "EM 2003", ex-auditores da Receita e "assim-assim" com iniciativa privada têm bens bloqueados pela Justiça.

É assim mesmo. A gente tem que falar 10 vezes a data de quando ( Quando? Antes de 2002, oras ) as coisas começaram, senão vai cair na conta do Lula.
Auditores paralelos
Justiça bloqueia bens de servidores da Receita Federal
A Justiça Federal no Distrito Federal determinou, no dia 31 de outubro, bloqueio de bens do ex-secretário adjunto da Receita Federal Paulo Baltazar Carneiro e do assessor especial do órgão, Sandro Martins Silva. A denúncia de improbidade administrativa foi feita pelo Ministério Público Federal.
O bloqueio é de R$ 340 mil para cada um, já com correções. Também foi determinado o afastamento de Sandro Martins Silva do cargo público de auditor fiscal e de qualquer função comissionada na Receita Federal. Nesta ação de improbidade, o MPF questiona as condutas e os valores recebidos por ambos pelos serviços prestados à grandes empresas e grupos econômicos. Enquanto ocuparam cargos públicos, os réus ganharam muito dinheiro com o serviço de consultoria tributária.
As informações são de que os dois réus atuam em parceria na empresa Martins Carneiro Consultoria Ltda. S/C, da qual são sócios administradores. A empresa presta serviços de defesa fiscal perante a Receita Federal.
O MPF questiona os negócios que os réus mantinham com empresa Norcon Sociedade Nordestina de Construções S/A, perante a Câmara de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda, a partir do mês de setembro de 2000. Nesse contrato, os réus receberam o pagamento de R$ 410 mil, divididos entre eles.
O caso também é investigado na esfera criminal, na 12ª Vara da Justiça Federal no DF e na esfera administrativa, na Corregedoria-Geral da Receita Federal do Brasil. Para o juiz federal Jamil Rosa de Jesus Oliveira, as práticas configuram falta de fidelidade do servidor à administração pública e uso do cargo com objetivo de proveito próprio ou de terceiros.
A Justiça Federal conseguiu comprovar que os réus dilapidaram o próprio patrimônio para não pagar imposto à Fazenda. Conforme as declarações, o patrimônio de Sandro Martins Silva decresceu em cerca de três milhões e de Paulo Baltazar Carneiro em cerca de seis milhões, a partir de 2002.
Revista Consultor Jurídico, 28 de novembro de 2007
Justiça determina indisponibilidade de bens do ex-secretário adjunto da Receita Federal
Declarações de imposto de renda demonstraram tentativa de dilapidação do patrimônio dos réus.
27.11.2007
A Justiça Federal no Distrito Federal, atendendo pedido feito pelo Ministério Público Federal, determinou no último dia 31 de outubro, a indisponibilidade de bens do ex-secretário adjunto da Receita Federal Paulo Baltazar Carneiro e do assessor especial Sandro Martins Silva, também da Receita.
O valor a ser indisponibilizado do patrimônio de cada um é de cerca de trezentos e quarenta e sete mil reais, já corrigidos monetariamente. Também determinou o afastamento de Sandro Martins Silva do cargo público de auditor fiscal e de qualquer função comissionada que exerça eventualmente na Receita Federal.
No caso, os dois réus, que atuam em parceria na empresa Martins Carneiro Consultoria Ltda. S/C, da qual são sócios administradores, prestaram por diversas vezes serviços de consultoria tributária em defesa fiscal de grandes empresas e grupos econômicos, perante a Receita Federal. Essas consultorias geraram grandes rendimentos aos réus ao mesmo tempo em que eles mantiveram vínculo com o serviço público.
Nesta ação de improbidade, o MPF questiona as condutas e os valores recebidos por ambos pelos serviços prestados à empresa Norcon Sociedade Nordestina de Construções S/A perante a Câmara de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda, a partir do mês de setembro de 2000. Neste contrato os réus receberam o pagamento de quatrocentos e dez mil reais que foram repartidos em partes iguais entre os dois.
Os vários serviços prestados pelos réus estão sendo investigados também na esfera criminal, na 12ª Vara da Justiça Federal no DF e na esfera administrativa, em processo administrativo disciplinar que está em curso na Corregedoria-Geral da Receita Federal do Brasil.
Para o juiz federal Jamil Rosa de Jesus Oliveira, tais práticas configuram falta de fidelidade do servidor à administração pública, utilização do cargo para conseguir proveito próprio ou de terceiros e afronta ao Estatuto do Servidor Público que proíbe a participação em gerência de empresas e também a intermediação de pleitos perante repartições públicas.
Segundo o juiz, “a plausibilidade do pedido está suficientemente demonstrada nos autos, uma vez que a ocorrência dos fatos narrados na inicial, não negada pelos requeridos nas respectivas manifestações prévias, configura, em princípio, a prática verificável em alguns setores da administração pública, consistente em o indivíduo assumir função pública relevante, obter informações cruciais no seu exercício e, a partir daí, angariar clientes para a fruição de benesses profissionais extraordinárias na área privada, especialmente no setor da economia que se encontra no campo de regulamentação ou fiscalização do órgão a que se vincula o servidor”, afirma.
Indisponibilidade – O juiz federal determinou a indisponibilidade e o afastamento porque foi comprovado por meio da Declaração de Imposto de Renda de ambos os réus a dilapidação de seus patrimônios como forma de impedir possíveis restituições ao erário. Conforme as declarações, o patrimônio de Sandro Martins Silva decresceu em cerca de três milhões e de Paulo Baltazar Carneiro em cerca de seis milhões, no período de 2002 em diante.
Na decisão, o juiz, além de se manifestar pelo recebimento da ação de improbidade, também afastou a preliminar defendida pelos réus de inépcia da ação, de ilegitimidade passiva e da possível prescrição dos fatos.
Jucilene Ventura
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Distrito Federal
Contatos: (61) 3313-5460/5459
E-mail:
ascom@prdf.mpf.gov.br
Auditores da Receita têm bens bloqueados
Folha de S. Paulo
22/11/2007
Acusação é de venda de legislação sob encomenda
Denunciados pelo Ministério Público Federal no caso conhecido como "venda de legislação" na Receita Federal, o auditor aposentado Paulo Baltazar Carneiro e o auditor Sandro Martins tiveram parte de seus bens bloqueados por decisão da Justiça Federal. Os dois são acusados de improbidade administrativa, por supostamente terem usado de influência na Receita para "vender" legislação sob encomenda, de modo a derrubar ou reduzir multas e imposto devido por empresas.
Conhecidos como "anfíbios" (ora estão no fisco, ora na iniciativa privada), Paulo Baltazar e Sandro foram da cúpula da Receita na gestão do ex-secretário Everardo Maciel, também alvo de ações do Ministério Público. Até o escândalo ter se tornado público, no começo de 2003, Sandro era assessor especial do atual secretário da Receita, Jorge Rachid.
A decisão do juiz Jamil Rosa de Jesus Oliveira, da 14ª Vara Federal, no Distrito Federal, é de 31 de outubro, mas só foi divulgada nesta semana.A liminar refere-se a serviço prestado pela Martins Carneiro Consultoria Empresarial, pertencente a Sandro e Baltazar, à Norcon Sociedade Nordestina de Construções. A Martins Carneiro defendeu a empresa ante a Câmara Superior de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda, trabalho pelo qual receberam R$ 410 mil.O juiz determinou a indisponibilidade dos bens, de cada um, no valor de R$ 347 mil. Ele ressaltou que Sandro e Baltazar vêm dilapidando seus patrimônios. Segundo o juiz, entre 2003 e 2005, a soma dos bens de Sandro decresceu em R$ 3,362 milhões. No mesmo período, o patrimônio de Paulo foi reduzido em R$ 6,88 milhões.O juiz notificou ainda Rachid a afastar Sandro de qualquer cargo ou função eventualmente ocupada por ele no fisco.
Rachid é réu em processo movido pelo Ministério Público, acusado de obstruir investigação feita pela corregedoria do órgão na qual ele é suspeito de irregularidades em autuação contra a construtora OAS, num caso correlato à venda de legislação -Sandro e Baltazar defenderam a construtora.
A Receita informou que já foi notificada da decisão do juiz, ressaltando, contudo, que o servidor Sandro Martins já havia sido afastado do órgão anteriormente. A Folha não conseguiu localizar Sandro Martins nem Paulo Baltazar.

Etiquetas: , , , ,

I heart FeedBurner Monitorado por Cyclops